Médicos de famílias temem que 20% das vagas fiquem desertas

Faltam 530 médicos de família e há 923 utentes sem clínico. Concurso para novos médicos com 291 vagas

O Ministério das Finanças já assinou o despacho a autorizar o concurso para a colocação de novos médicos de família. Terão sido autorizadas 291 vagas. O processo deveria ter acontecido em junho mas atrasou-se por motivos burocráticos. O presidente da Associação Nacional de Medicina Geral e Familiar teme que 20% das vagas fiquem por preencher.

A garantia que o despacho será publicado em breve em Diário da República foi dada aos sindicatos médicos, na sexta-feira, pelo Governo. O atraso no concurso, que terá 291 vagas, está a ter já efeitos negativos: mais de 923 mil utentes sem médico de família atribuído a 10 de agosto, data da última atualização no Portal do SNS. E faltam 530 clínicos.

Este poderá não ser o único efeito negativo. Rui Nogueira, presidente da Associação Nacional de Medicina Geral e Familiar, teme que uma parte dos 290 médicos, que terminou a especialidade em abril, já tenha encontrado outras alternativas. "Será difícil que todas as vagas sejam preenchidas. Seria bom se 80% das vagas fossem preenchidas. Esta espera acabou por ser um problema porque levou alguns colegas a procurar soluções alternativas e há médicos que se perderam para o SNS. A celeridade destes concursos é muito importante para não se perderem candidatos."

Mas há outra razão que Rui Nogueira aponta para que possa ficar uma percentagem tão elevada de vagas desertas: que aos novos médicos não seja dado tempo suficiente, após o lançamento do concurso, para se organizarem a mudar de região. Uma das soluções, aponta, seria a abertura de mais 10% de vagas para que existissem soluções que atraíssem o máximo de médicos. "Ainda não se conhece o mapa, mas haverá uma insistência maior na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde faltam mais médicos, que terá mais vagas que candidatos, enquanto nas outras regiões será ao contrário. Agora é importante que haja alguma compreensão e não se diga às pessoas que daqui a um mês têm de ir para outro sitio. Isso pode ser um desincentivo e ficarem vagas desertas. Há maridos, mulheres, as escolas das crianças. Não se muda uma vida num mês", alerta.

A reposição de 1900 para 1550 utentes por lista de médico de família, até ao final da legislatura como pedem os sindicatos, acabou por dominar a última reunião com o Governo. "Foi-nos dito pelo governo que não procederia a qualquer medida que tendesse para a redução faseada sem antes assegurarem que todos os utentes têm médico de família. O que fizemos foi mostrar, usando dados do próprio governo, é que em 2020 haverá 316 médicos de família sem emprego porque todos os portugueses estarão cobertos", disse Mário Jorge Neves, presidente da Federação Nacional dos Médicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.