Médicos de famílias temem que 20% das vagas fiquem desertas

Faltam 530 médicos de família e há 923 utentes sem clínico. Concurso para novos médicos com 291 vagas

O Ministério das Finanças já assinou o despacho a autorizar o concurso para a colocação de novos médicos de família. Terão sido autorizadas 291 vagas. O processo deveria ter acontecido em junho mas atrasou-se por motivos burocráticos. O presidente da Associação Nacional de Medicina Geral e Familiar teme que 20% das vagas fiquem por preencher.

A garantia que o despacho será publicado em breve em Diário da República foi dada aos sindicatos médicos, na sexta-feira, pelo Governo. O atraso no concurso, que terá 291 vagas, está a ter já efeitos negativos: mais de 923 mil utentes sem médico de família atribuído a 10 de agosto, data da última atualização no Portal do SNS. E faltam 530 clínicos.

Este poderá não ser o único efeito negativo. Rui Nogueira, presidente da Associação Nacional de Medicina Geral e Familiar, teme que uma parte dos 290 médicos, que terminou a especialidade em abril, já tenha encontrado outras alternativas. "Será difícil que todas as vagas sejam preenchidas. Seria bom se 80% das vagas fossem preenchidas. Esta espera acabou por ser um problema porque levou alguns colegas a procurar soluções alternativas e há médicos que se perderam para o SNS. A celeridade destes concursos é muito importante para não se perderem candidatos."

Mas há outra razão que Rui Nogueira aponta para que possa ficar uma percentagem tão elevada de vagas desertas: que aos novos médicos não seja dado tempo suficiente, após o lançamento do concurso, para se organizarem a mudar de região. Uma das soluções, aponta, seria a abertura de mais 10% de vagas para que existissem soluções que atraíssem o máximo de médicos. "Ainda não se conhece o mapa, mas haverá uma insistência maior na região de Lisboa e Vale do Tejo, onde faltam mais médicos, que terá mais vagas que candidatos, enquanto nas outras regiões será ao contrário. Agora é importante que haja alguma compreensão e não se diga às pessoas que daqui a um mês têm de ir para outro sitio. Isso pode ser um desincentivo e ficarem vagas desertas. Há maridos, mulheres, as escolas das crianças. Não se muda uma vida num mês", alerta.

A reposição de 1900 para 1550 utentes por lista de médico de família, até ao final da legislatura como pedem os sindicatos, acabou por dominar a última reunião com o Governo. "Foi-nos dito pelo governo que não procederia a qualquer medida que tendesse para a redução faseada sem antes assegurarem que todos os utentes têm médico de família. O que fizemos foi mostrar, usando dados do próprio governo, é que em 2020 haverá 316 médicos de família sem emprego porque todos os portugueses estarão cobertos", disse Mário Jorge Neves, presidente da Federação Nacional dos Médicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.