Medicina destronada do topo das notas mais altas. Veja as listas completas

Pela primeira vez, em muitos anos de concursos de acesso, as médias mais altas são de cursos de engenharia do Técnico

A tradição diz que a "competição" particular para se saber qual é o curso com nota do último mais colocado mais elevada é disputada exclusivamente entre as ofertas de Medicina, com a Universidade do Porto a superiorizar-se às concorrentes nos últimos anos. Mas desta vez o protagonismo vai para as engenharias do Instituto Superior Técnico, da Universidade de Lisboa.

De acordo com as listas de colocados da 1.ª fase de acesso ao ensino superior, os cursos de Engenharia Aeroespacial e de Engenharia Física e Tecnológica, desta instituição, repartem o primeiro lugar desta tabela, com uma média de 18,52 valores.

Veja a lista completa de colocados

A Universidade do Porto inscreve um dos seus cursos no terceiro lugar mas, curiosamente, não é o de Medicina. A distinção cabe à Engenharia de Gestão Industrial.

O curso de Medicina desta universidade é, no entanto, o melhor dessa área e o quarto melhor a nível de exigência no acesso, com a média de 18,40 valores. E é também da mesma instituição, através do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, o segundo melhor curso de Medicina e o quinto melhor da tabela global.

Descarregue a lista de colocados (ficheiro Excel)

Neste ranking da exigência, a Universidade do porto continua a ser a força dominante com a sexta posição do curso de Bioengenharia, cuja média do último colocado foi de 18,2 valores.

Entre os 10 primeiros, apenas o curso de Medicina da Universidade do Minho (18,17 valores), no oitavo lugar, e Medicina da Universidade de Coimbra (17,98), no décimo, contrariam a hegemonia das universidades de Lisboa e do Porto.

De referir que, no extremo oposto da tabela, quase 40 cursos permitiram entrada com médias inferiores a 10 valores (o mínimo aceite é a média de 9,5). Houve ainda várias dezenas de cursos que não colocaram qualquer candidato ou não chegaram ao mínimo para abrir uma turma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.