Mau tempo: Só em Macedo de Cavaleiros caíram mais de 450 árvores, uma a cada minuto

A Proteção Civil registou esta noite (domingo) mais de 1100 ocorrências relacionadas com a tempestade Ana, a maior parte (789) quedas de árvores, mas também inundações e quedas de estruturas.

A queda de uma árvore provocou uma vitima mortal, uma mulher de 45 anos, em Marco de Canavezes.

Paulo Santos, oficial de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil, disse à Lusa que até agora os distritos mais afetados são os do Porto, Braga, Aveiro, Viseu, Viana do Castelo, Coimbra, Leiria, Vila Real e Lisboa, tendo ocorrido na capital 31 ocorrências, especialmente quedas de árvores e quedas de estruturas.

Foram registadas no continente até às 22.30 de domingo 1195 ocorrências, incluindo 95 inundações, 13 deslizamentos de terras, 214 quedas de estruturas e dois salvamentos terrestres (que por norma se relacionam com inundações).

A maior parte da ocorrências relacionadas com a tempestade Ana foram quedas de quedas de árvores (789), sendo que mais de 450 foram na zona de Macedo de Cavaleiros, onde segundo a imprensa local chegou a cair uma árvore por minuto.

Paulo Santos disse ainda que apesar da chuva em grande parte do país há um incêndio florestal ativo e "com intensidade" na localidade de Serras de Baixo, Vila Nova de Milfontes, que está a ser combatido por 30 operacionais, auxiliados por cinco veículos.

Com o mau tempo a afetar essencialmente o norte do país a GNR dá conta de 12 estradas cortadas, especialmente por desabamentos e por inundações. Está cortada nomeadamente a estrada nacional 226, em Lamego, e a 309, que liga Espinho a Braga, disse fonte da GNR à Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."