Matos Correia ganha estatuto de vice-presidente

Conselho Nacional dá hoje passo que permite reativação de Conselho Estratégico, órgão que não funcionava em pleno desde os tempos de Marques Mendes

O Conselho Nacional no PSD - o órgão máximo entre congressos - vai hoje aprovar o regulamento do conselho estratégico nacional, órgão que não funcionava em pleno desde os tempos de Marques Mendes, em 2005.

O DN teve acesso ao documento que os conselheiros vão aprovar esta noite e que estabelece que o Conselho Estratégico funcionará como uma espécie de Conselho de Estado do partido, já que é um "órgão de aconselhamento no que toca às grandes questões nacionais", tendo "natureza consultiva" e que "funciona junto do presidente da Comissão Política Nacional".

O artigo 4º do regulamento estabelece que o presidente do Conselho Estratégico Nacional é "equiparado, para todos os efeitos estatutários, a vice-presidente da Comissão Política Nacional". Ora, com este movimento, Passos Coelho recupera um vice-presidente que tinha perdido no congresso de abril, altura em que José Matos Correia tinha saído da direção nacional.

O presidente do Conselho Estratégico, José Matos Correira, dá assim experiência de combate político à direção do PSD, algo que os comentadores políticos acharam que tinha ficado mais fragilizado quando em abril saíram da direção nomes como Carlos Carreiras, o próprio Matos Correia e Pedro Pinto.

O Conselho Estratégico terá também como atribuição "elaborar relatórios ou pareceres a solicitação" do presidente do partido. O órgão vai funcionar "em plenário ou em grupos de trabalho especializados, sempre o tratamento de matérias específicas o justifique".

É assim definitivamente reativado o Conselho Estratégico, que não tinha influência desde a direção de Marques Mendes. De acordo com os estatutos do PSD, o Conselho Estratégico "integra personalidades de reconhecido mérito, e competência, militantes do PSD ou independentes, e destina-se a aconselhar o presidente do partido no que toca às grandes questões nacionais."

A escolha dos membros deste órgão é estatutariamente da responsabilidade do líder, mas serão propostos por Matos Correira. Normalmente é composto por notáveis. No tempo de Marques Mendes (2005), compunham o conselho nomes de dentro e fora do partido como Ângelo Correia, Carlos Pimenta, João de Deus Pinheiro, Eduardo Catroga, Nogueira Leite, Pacheco Pereira ou João Lobo Antunes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.