"Ministro das Finanças está nas mãos de António Domingues"

Marques Mendes diz que antigo presidente da Caixa "sente-se traído" e quer "vingança"

A semana pode ter corrido bem para Mário Centeno do ponto de vista dos indicadores económicos mas, para Marques Mendes, o ministro das Finanças continua em maus lençóis. O seu futuro, garante, está nas mãos do antigo presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no centro da polémica em torno dos SMS: "António Domingues é neste momento o elemento vital", considerou Marques Mendes, no seu comentário de domingo na SIC Notícias. "Das suas futuras revelações depende a permanência de Mário Centeno como ministro das Finanças. O futuro do ministro das Finanças está nas mãos de António Domingues", insistiu, num comentário em que até começou por elogiar o défice de 2,1%, considerando a projeção de 2,1% "um grande resultado para o país".

Ao longo da semana, quer o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quer o primeiro-ministro, António Costa, deram por encerrada a discussão sobre as garantias que Centeno teria dado ao ex-administrador da CGD em relação à obrigatoriedade de declarar os seus rendimentos. Mas Marques Mendes está convicto de que "a novela" ainda não terminou. "Já se percebeu uma coisa: Domingues sente-se traído e quer vingar-se. E está a fazer a sua vingança com uma frieza olímpica".

Marques Mendes criticou ainda a possibilidade, avançada esta semana pelo Expresso, de o Ministério da Educação reduzir a carga letiva de Português e matemática para reforçar outras áreas, nomeadamente as Ciências Sociais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.