"Ministro das Finanças está nas mãos de António Domingues"

Marques Mendes diz que antigo presidente da Caixa "sente-se traído" e quer "vingança"

A semana pode ter corrido bem para Mário Centeno do ponto de vista dos indicadores económicos mas, para Marques Mendes, o ministro das Finanças continua em maus lençóis. O seu futuro, garante, está nas mãos do antigo presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no centro da polémica em torno dos SMS: "António Domingues é neste momento o elemento vital", considerou Marques Mendes, no seu comentário de domingo na SIC Notícias. "Das suas futuras revelações depende a permanência de Mário Centeno como ministro das Finanças. O futuro do ministro das Finanças está nas mãos de António Domingues", insistiu, num comentário em que até começou por elogiar o défice de 2,1%, considerando a projeção de 2,1% "um grande resultado para o país".

Ao longo da semana, quer o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quer o primeiro-ministro, António Costa, deram por encerrada a discussão sobre as garantias que Centeno teria dado ao ex-administrador da CGD em relação à obrigatoriedade de declarar os seus rendimentos. Mas Marques Mendes está convicto de que "a novela" ainda não terminou. "Já se percebeu uma coisa: Domingues sente-se traído e quer vingar-se. E está a fazer a sua vingança com uma frieza olímpica".

Marques Mendes criticou ainda a possibilidade, avançada esta semana pelo Expresso, de o Ministério da Educação reduzir a carga letiva de Português e matemática para reforçar outras áreas, nomeadamente as Ciências Sociais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.