Marques Mendes fala em "tiro no pé" de Maria Luís

Ex-líder do PSD revela que ex-ministra da Educação Isabel Alçada e o ex-secretário de Estado do Orçamento Hélder Reis, vão ser assessores de Marcelo

O antigo líder do PSD Marques Mendes disse hoje à noite - no seu programa semanal da SIC - que o facto da ex-ministra das finanças, Maria Luís Albuquerque, ter aceite um cargo da financeira britânica Arrow foi um "tiro no pé".

Para Marques Mendes apesar de "legalmente" não haver "nada que o impeça" , do "ponto de vista ético e político, é inaceitável que o faça."

O ex-presidente do PSD fala mesmo em "erro de palmatória", "imprudência" e "insensatez", elencando as razões pelas quais Maria Luís não deveria ter aceite o cargo. Desde logo porque quem "como ministra das Finanças, fez o discurso moralista sobre a crise e tomou as decisões que tomou não pode agora dar este exemplo." Depois, pela sua posição já que "Maria Luís não é convidada para o lugar por ser uma cidadã generosa, mas sim por ter sido ministra até há pouco tempo e aos olhos da empresa contratante poder dispor de informação privilegiada."

Além disso, destaca Marques Mendes, "os portugueses, hoje são mais exigentes do que 10, 20 ou 30 anos. Algo que 10 ou 20 anos era aceite ou tolerado hoje é rejeitado. A sociedade é mais exigente. E bem. Não se percebe como é que uma pessoa inteligente não percebe isto."

Para Mendes esta decisão de Maria Luís acaba por ser "mau para o PSD", pois o "partido fica embaraçado" e é também "mau para a própria", já que, desta forma, "vai ter dificuldade em ter um lugar de dirigente no próximo Congresso." Recorde-se que Marques Mendes chegou a dizer num dos seus programas que Maria Luís Albuquerque poderia um dia ser líder do PSD. Já este ato é "um favor a António Costa."

Marques Mendes revelou também mais dois nomes de assessores que Marcelo Rebelo de Sousa levará para Belém. A ex-ministra de Sócrates, Isabel Alçada (para a área da Educação) e o ex-secretário de Estado Adjunto e do Orçamento do Governo de Passos Coelho, Hélder Reis, para a área das finanças.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.