Marques Mendes diz que Teresa Leal Coelho deixa Passos em xequee

Teresa Leal Coelho foi ontem confirmada como a candidata à câmara de Lisboa pelo PSD por larga maioria na Distrital do partido. Ainda assim, o antigo líder do PSD Marques Mendes disse este domingo que fica a imagem de que a candidata terá sido "uma solução de último recurso".

Mendes afirmou na SIC que as eleições autárquicas serão um "passeio" para Fernando Medina, não porque Teresa Leal coelho não tenha qualidades - é um pessoa combativa. frontal com experiência política e até "abre" à esquerda, pelas posições que tem tomado em temas fraturantes, lembrou o comentador -, mas porque o processo de escolha foi "desastroso".

Com tanta demora, frisou o também conselheiro de Estado, esperava-se Passos tirasse um coelho da cartola. Ao invés, "teve de escolher uma figura do seu círculo político mais íntimo".
Na sua opinião, com tanto avanço e recuo, fica a imagem de que Teresa Leal Coelho é "uma solução de último recurso". Com tudo isto, disse o comentador político, "é o próprio Passos Coelho que fica diretamente em xeque". E porquê? Porque a vice-presidente do PSD e deputada é uma escolha pessoal do líder do partido. "Se tudo correr mal, é o líder, ele próprio, a ser responsabilizado".

A dúvida que existe neste momento, segundo Mendes, é quem fica em segundo lugar na corrida à câmara de Lisboa, se o PSD ou o CDS, se Teresa Leal Coelho ou Assunção Cristas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.