Marisa Matias: "Não mandamos no Governo nem perdemos as nossas bandeiras"

Eurodeputada bloquista deixa vários recados a PSD e CDS e aponta o dedo à União Europeia. "Que ninguém se engane: estamos aqui para mudar o mundo", afirma

"A geringonça desorientou a direita." Foi desta forma que Marisa Matias começou este domingo a sua intervenção na X Convenção do Bloco de Esquerda (BE), criticando PSD e CDS por agora "criticar o Bloco por ter uma cultura de compromisso" quando antes afirmavam que era precisamente que faltava ao seu partido e recusou a ideia de que o BE se tenha desvirtuado ou, sequer, que mande no Governo.

"A direita achava que só podia haver entendimentos à direita", atirou a eurodeputada, para quem a direita "à segunda, quarta e sexta" diz que o Bloco "manda no Governo" e à "terça, quinta e sábado" afirma que o partido liderado por Catarina Martins "perdeu as suas bandeiras". "Nem mandamos no Governo nem perdemos as nossas bandeiras", contrapôs de imediato, no segundo e último dia da reunião magna que decorre no pavilhão do Casal Vistoso, em Lisboa.

Como seria expectável, Marisa aproveitou os quatro minutos no púlpito para fazer um diagnóstico ao estado da União Europeia (UE) - notou que há muito trabalho para fazer dentro de portas mas também além-fronteiras - e explicou fazendo alusão ao combate ao racismo, xenofobia e ataque ao Estado Social: "Confrontamos a UE não porque tenhamos mau feitio mas porque o projeto da UE atual está caduco e tem de ser derrotado."

"Nunca desistimos do nosso país mesmo quando as políticas eram mais agressivas", atirou a candidata às últimas eleições presidenciais, apontando para futuro: "Não desistiremos da Europa mesmo quando as políticas são mais liberais e agressivas. O nosso objetivo é muito modesto e que ninguém se engane: só estamos aqui para mudar o mundo."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.