Marisa Matias chama "farsa" ao "diálogo estruturado" sobre sanções

Eurodeputada afirma que os comissários se limitam "a comprovar uma decisão que já está tomada"

A eurodeputada Marisa Matias (BE) considerou "uma farsa" o 'diálogo estruturado' que hoje decorre no Parlamento Europeu sobre a possível suspensão de fundos estruturais a Portugal e Espanha porque a Comissão Europeia já tem a decisão tomada.

"Temo que o diálogo possa ser uma enorme farsa", disse Marisa Matias, acrescentando que os comissários europeus Corina Cretu (Política Regional) e Jyrki Katainen (Crescimento, Emprego e Investimento) "estão aqui para comprovar uma decisão que já está tomada" e não alteraram o discurso desde o início da audição pública com os eurodeputados.

A eurodeputada do BE disse ainda que "Portugal e Espanha estão a pagar as consequências da autoridade estúpida".

O comissário Kaitanen, acusou, "fala de suspensão de fundos como um incentivo, gostava de saber o que significa incentivo e sanção na linguagem da Comissão Europeia", que acusa de ser "carrasco do projeto europeu".

A audição pública dos comissários com os eurodeputados da comissão de Assuntos Económicos e a do Desenvolvimento Regional faz parte do 'diálogo estruturado', no âmbito do qual o Parlamento Europeu tem um papel consultivo na decisão de congelamento de fundos.

O Parlamento Europeu (PE) discute com a Comissão Europeia, à margem da sessão plenária e pela primeira vez, a possível suspensão de fundos estruturais a Portugal e Espanha, no chamado 'diálogo estruturado', com caráter consultivo.

No quadro do processo de sanções lançado contra os dois Estados-membros por falta de ações efetivas para correção dos respetivos défices, a Comissão acabou por recomendar, a 27 de julho passado, a suspensão de multas a Portugal e Espanha -- decisão confirmada a 08 de agosto pelo Conselho Ecofin (ministros das Finanças dos 28) -, mas segue o processo automático de congelamento parcial de fundos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.