Marisa diz que resultados refletem "onda de esperança" no país

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda quase dobrou o resultado obtido por Francisco Louçã nas eleições de 2006

Num verdadeiro ambiente de festa, Marisa Matias já reagiu aos resultados destas presidenciais. Começando por sublinhar que já felicitou Marcelo Rebelo de Sousa, a candidata apoiada pelo BE o objetivo de levar a decisão para a segunda volta "não foi atingido".

Contudo, a eurodeputada bloquistas sublinhou que os números que a sua candidatura obteve - os resultados provisórios apontam para 10% dos votos dos portugueses - são "uma expressão muito clara da onda de esperança" que está a crescer no país.

Quando questionada pelo jornalistas sobre o que falhou para que o objetivo de haver uma segunda volta não tenha sido alcançado, Marisa, que quase dobra o resultado de 2006 de Francisco Louçã, foi perentória: "Penso que não foi nesta candidatura que algo correu mal. Ficou claro que esta candidatura foi buscar votos a muitos setores da sociedade, da direita à esquerda, à abstenção e à desistência. Não foi nesta candidatura que houve um problema", atirou.

Prometendo que não esquecerá aqueles a quem durante a campanha eleitoral deu a sua palavra - de uma defesa intransigente dos seus direitos -, Marisa ainda deixou um recado (sobre a igualdade de tratamento das candidaturas), recusando ter sido derrotada nas urnas: "Os objetivos estavam bem definidos. (...) Também fica claro que temos de ter condições iguais. Não há candidatos de primeira e de segunda e não há vencedores anunciados se houver igual tratamento."

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".