Marisa diz que resultados refletem "onda de esperança" no país

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda quase dobrou o resultado obtido por Francisco Louçã nas eleições de 2006

Num verdadeiro ambiente de festa, Marisa Matias já reagiu aos resultados destas presidenciais. Começando por sublinhar que já felicitou Marcelo Rebelo de Sousa, a candidata apoiada pelo BE o objetivo de levar a decisão para a segunda volta "não foi atingido".

Contudo, a eurodeputada bloquistas sublinhou que os números que a sua candidatura obteve - os resultados provisórios apontam para 10% dos votos dos portugueses - são "uma expressão muito clara da onda de esperança" que está a crescer no país.

Quando questionada pelo jornalistas sobre o que falhou para que o objetivo de haver uma segunda volta não tenha sido alcançado, Marisa, que quase dobra o resultado de 2006 de Francisco Louçã, foi perentória: "Penso que não foi nesta candidatura que algo correu mal. Ficou claro que esta candidatura foi buscar votos a muitos setores da sociedade, da direita à esquerda, à abstenção e à desistência. Não foi nesta candidatura que houve um problema", atirou.

Prometendo que não esquecerá aqueles a quem durante a campanha eleitoral deu a sua palavra - de uma defesa intransigente dos seus direitos -, Marisa ainda deixou um recado (sobre a igualdade de tratamento das candidaturas), recusando ter sido derrotada nas urnas: "Os objetivos estavam bem definidos. (...) Também fica claro que temos de ter condições iguais. Não há candidatos de primeira e de segunda e não há vencedores anunciados se houver igual tratamento."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.