Marisa diz que resultados refletem "onda de esperança" no país

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda quase dobrou o resultado obtido por Francisco Louçã nas eleições de 2006

Num verdadeiro ambiente de festa, Marisa Matias já reagiu aos resultados destas presidenciais. Começando por sublinhar que já felicitou Marcelo Rebelo de Sousa, a candidata apoiada pelo BE o objetivo de levar a decisão para a segunda volta "não foi atingido".

Contudo, a eurodeputada bloquistas sublinhou que os números que a sua candidatura obteve - os resultados provisórios apontam para 10% dos votos dos portugueses - são "uma expressão muito clara da onda de esperança" que está a crescer no país.

Quando questionada pelo jornalistas sobre o que falhou para que o objetivo de haver uma segunda volta não tenha sido alcançado, Marisa, que quase dobra o resultado de 2006 de Francisco Louçã, foi perentória: "Penso que não foi nesta candidatura que algo correu mal. Ficou claro que esta candidatura foi buscar votos a muitos setores da sociedade, da direita à esquerda, à abstenção e à desistência. Não foi nesta candidatura que houve um problema", atirou.

Prometendo que não esquecerá aqueles a quem durante a campanha eleitoral deu a sua palavra - de uma defesa intransigente dos seus direitos -, Marisa ainda deixou um recado (sobre a igualdade de tratamento das candidaturas), recusando ter sido derrotada nas urnas: "Os objetivos estavam bem definidos. (...) Também fica claro que temos de ter condições iguais. Não há candidatos de primeira e de segunda e não há vencedores anunciados se houver igual tratamento."

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.