Marisa diz que resultados refletem "onda de esperança" no país

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda quase dobrou o resultado obtido por Francisco Louçã nas eleições de 2006

Num verdadeiro ambiente de festa, Marisa Matias já reagiu aos resultados destas presidenciais. Começando por sublinhar que já felicitou Marcelo Rebelo de Sousa, a candidata apoiada pelo BE o objetivo de levar a decisão para a segunda volta "não foi atingido".

Contudo, a eurodeputada bloquistas sublinhou que os números que a sua candidatura obteve - os resultados provisórios apontam para 10% dos votos dos portugueses - são "uma expressão muito clara da onda de esperança" que está a crescer no país.

Quando questionada pelo jornalistas sobre o que falhou para que o objetivo de haver uma segunda volta não tenha sido alcançado, Marisa, que quase dobra o resultado de 2006 de Francisco Louçã, foi perentória: "Penso que não foi nesta candidatura que algo correu mal. Ficou claro que esta candidatura foi buscar votos a muitos setores da sociedade, da direita à esquerda, à abstenção e à desistência. Não foi nesta candidatura que houve um problema", atirou.

Prometendo que não esquecerá aqueles a quem durante a campanha eleitoral deu a sua palavra - de uma defesa intransigente dos seus direitos -, Marisa ainda deixou um recado (sobre a igualdade de tratamento das candidaturas), recusando ter sido derrotada nas urnas: "Os objetivos estavam bem definidos. (...) Também fica claro que temos de ter condições iguais. Não há candidatos de primeira e de segunda e não há vencedores anunciados se houver igual tratamento."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.