Marisa aplaude medida de Costa e fala em leitura "pouco séria" de Rangel

Eurodeputada do Bloco de Esquerda responde a ataques de Paulo Rangel à geringonça e concorda com medida contra o terrorismo proposta por Costa

A eurodeputada e dirigente do Bloco de Esquerda, Marisa Matias, classificou esta tarde, em Castelo de Vide - onde esteve num encontro de jovens a falar de Europa - a proposta que António Costa vai levar à cimeira de líderes do sul para combater o terrorismo (que consiste em regenerar as periferias da Europa) de uma "boa medida".

Para Marisa Matias "não se pode continuar a ignorar que, associado ao terrorismo está uma ausência de futuro ou de projeto de vida que faz com que muitos jovens acabem por juntar-se a grupos terroristas." Questionada sobre a proposta de Costa, a bloquista afirma que "o combate à pobreza e à exclusão social será sempre uma boa medida para também evitar que surjam movimentos e fenómenos destes."

A bloquista admite que a medida não é tão "fundamental" como "não alimentar o terrorismo, não haver negócio de armas, não haver negócio de petróleo", mas é "fundamental no quadro da União Europeia." E acrescenta:"Tem de se combater as desigualdades sociais e a pobreza se queremos que os nossos jovens não se sintam encantados por um projeto como este que é absolutamente atroz e contra a humanidade."

Marisa Matias foi falar sobre a Europa ao Convento de São Francisco, que fica precisamente do outro lado da rua onde decorre a Universidade de Verão do PSD. O reitor e eurodeputado do PSD, Carlos Coelho fez questão de atravessar a estrada para cumprimentar a amiga. Marisa até brincou com a situação: "Não é uma provocação. Marcámos há muitos meses quando as datas da Universidade de Verão do PSD ainda não estavam definidas. A haver provocação seria do PSD". E sorriu, pois o partido faz há 13 anos a formação de jovens em Castelo de Vide.

Menos amistosa foi, no entanto, a resposta ao eurodeputado Paulo Rangel que disse esta manhã numa aula a jovens da UV que Portugal está "outra vez colado à Gréci"a. Marisa contra-atacou dizendo que "se as metas que o dr. Paulo Rangel defendeu estão finalmente a ser cumpridas, relativamente ao défice, se começa a haver mais emprego, e esse é o fator fundamental, se as pessoas estão a respirar mais e a viver melhor, eu penso que isso não se trata, de maneira nenhuma, de uma leitura séria da realidade." Para Marisa trata-se apenas de "um desejo do dr. Paulo Rangel".

Quanto às acusações de Paulo Rangel de que o Bloco de Esquerda é um partido da "esquerda radical e populista", Marisa considera que "chamar-nos radicais e isso significar que vamos à raiz dos problemas é um elogio, não é um ataque." Marisa Matias diz ainda que "uma oposição responsável é aquela que se faz apresentando propostas e não tendo apenas como único programa político a crítica à coligação existente e aos partidos que apoiam essa governação."

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.