Marisa aplaude medida de Costa e fala em leitura "pouco séria" de Rangel

Eurodeputada do Bloco de Esquerda responde a ataques de Paulo Rangel à geringonça e concorda com medida contra o terrorismo proposta por Costa

A eurodeputada e dirigente do Bloco de Esquerda, Marisa Matias, classificou esta tarde, em Castelo de Vide - onde esteve num encontro de jovens a falar de Europa - a proposta que António Costa vai levar à cimeira de líderes do sul para combater o terrorismo (que consiste em regenerar as periferias da Europa) de uma "boa medida".

Para Marisa Matias "não se pode continuar a ignorar que, associado ao terrorismo está uma ausência de futuro ou de projeto de vida que faz com que muitos jovens acabem por juntar-se a grupos terroristas." Questionada sobre a proposta de Costa, a bloquista afirma que "o combate à pobreza e à exclusão social será sempre uma boa medida para também evitar que surjam movimentos e fenómenos destes."

A bloquista admite que a medida não é tão "fundamental" como "não alimentar o terrorismo, não haver negócio de armas, não haver negócio de petróleo", mas é "fundamental no quadro da União Europeia." E acrescenta:"Tem de se combater as desigualdades sociais e a pobreza se queremos que os nossos jovens não se sintam encantados por um projeto como este que é absolutamente atroz e contra a humanidade."

Marisa Matias foi falar sobre a Europa ao Convento de São Francisco, que fica precisamente do outro lado da rua onde decorre a Universidade de Verão do PSD. O reitor e eurodeputado do PSD, Carlos Coelho fez questão de atravessar a estrada para cumprimentar a amiga. Marisa até brincou com a situação: "Não é uma provocação. Marcámos há muitos meses quando as datas da Universidade de Verão do PSD ainda não estavam definidas. A haver provocação seria do PSD". E sorriu, pois o partido faz há 13 anos a formação de jovens em Castelo de Vide.

Menos amistosa foi, no entanto, a resposta ao eurodeputado Paulo Rangel que disse esta manhã numa aula a jovens da UV que Portugal está "outra vez colado à Gréci"a. Marisa contra-atacou dizendo que "se as metas que o dr. Paulo Rangel defendeu estão finalmente a ser cumpridas, relativamente ao défice, se começa a haver mais emprego, e esse é o fator fundamental, se as pessoas estão a respirar mais e a viver melhor, eu penso que isso não se trata, de maneira nenhuma, de uma leitura séria da realidade." Para Marisa trata-se apenas de "um desejo do dr. Paulo Rangel".

Quanto às acusações de Paulo Rangel de que o Bloco de Esquerda é um partido da "esquerda radical e populista", Marisa considera que "chamar-nos radicais e isso significar que vamos à raiz dos problemas é um elogio, não é um ataque." Marisa Matias diz ainda que "uma oposição responsável é aquela que se faz apresentando propostas e não tendo apenas como único programa político a crítica à coligação existente e aos partidos que apoiam essa governação."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.