Mário Centeno reconhece "papel ativo" da banca espanhola

Ministro considera positivo o trabalho da banca espanhola no mercado português, mas afirma que os setores bancários de ambos os países precisam de estabilidade.

No entanto, Mário Centeno sublinhou que as instituições "se devem adaptar aos requisitos próprios do nosso mercado", ou seja reconhecer as características precisas e diferentes do mercado português em relação a outros mercados.

O governante, que falou durante um almoço onde se juntaram cerca de 250 personalidades, entre as quais alguns líderes de instituições bancárias, reforçou ainda a necessidade dos setores bancários se "estabilizarem e reforçarem" que resultem numa União Europeia mais coesa e sólida.

Por outro lado, o ministro com a pasta das Finanças afirmou que os problemas no setor financeiro "só poderão ser resolvidos no seio da União Europeia" e que para isso é preciso um trabalho conjunto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.