Maria João Rodrigues, Vieira da Silva e Silva Peneda debatem emprego e economia social

A conferência desta terça-feira é dedicada à Economia Social e ao Emprego

Que futuro para o pilar europeu dos direitos sociais num tempo de mudança e de afirmação da quarta revolução industrial? Foi este o tema do segundo dia de reflexão das conferências que assinalam o 153.º aniversário do DN, em que se questionaram os desafios do também chamado terceiro setor e o emprego, que integra muitos dos equipamentos de apoio aos cidadãos e à família, num mundo cada vez mais digitalizado.

O debate contou com uma mesa constituída por Maria João Rodrigues, eurodeputada do PS, Marinho e Pinto, eurodeputado do PDR, e Silva Peneda, economista e conselheiro da Comissão Europeia, ex-deputado, nacional e europeu, e ex-ministro do Emprego.

Termina com uma intervenção de Vieira da Silva, ministro do Trabalho, do Emprego e da Segurança Social.

A moderação é de Paulo Tavares, diretor-adjunto do DN.

A formação profissional e uma maior participação do Estado no nascimento e desenvolvimento das empresas da economia social foram duas das ideias chave apresentadas por Paula Guimarães, diretora da Fundação Montepio, na abertura da conferência.

"A Associação Mutualista tem procurado estimular a mudança. E ela está a ocorrer, não tão depressa como seria desejável e necessário, mas estamos convictos de que somos, juntos, uma das mais relevantes armas para combate a algumas das ameaças do futuro", salientou a dirigente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.