Maria de Belém: "Se morreu do coração, morreu do que tinha de melhor"

Almeida Santos foi "o mais eminente legislador" e a sua morte representa "uma perda irreparável para Portugal, para a democracia portuguesa e para o PS", disse esta manhã Maria de Belém

Falando na sua sede de campanha em Lisboa, a candidata - que Almeida Santos apoiava - afirmou ainda que "este acontecimento tristíssimo exige-nos a homenagem a um Homem que cruzou o seu destino com a resistência à ditadura, a descolonização e a fundação da democracia". Foi além disso "um homem de grande dimensão cultural, afetiva e humanista". "Se morreu do coração, morreu do que tinha de melhor", afirmou.

Maria de Belém endereçou à família as suas "mais sentidas condolências, acompanhadas de um abraço amigo muito amigo e solidário". Depois confirmou que a campanha estará suspensa até à realização do funeral, amanhã. A candidata presidencial Maria de Belém Roseira apenas retomará a campanha eleitoral na quinta-feira com um almoço na cervejaria Trindade, em Lisboa.

Ao fazer esta declaração, Maria de Belém tinha a acompanhá-la personalidades como Jorge Coelho, Marçal Grilo, Luís Nazaré, Vera Jardim, Alberto Martins e Simonetta Luz Afonso.

O último gesto público que Almeida Santos teve foi a participação, domingo, num almoço de apoio a Maria de Belém na Figueira da Foz, no qual se apresentou queixando-se de uma gripe ainda não inteiramente curada. Há semanas havia participado, com Mário Soares, num almoço em Lisboa de apoio a José Sócrates.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.