Marcha do Orgulho LGBT juntou largas centenas de portugueses e estrangeiros em Lisboa

Centenas de pessoas participaram na marcha que se realizou entre o Príncipe Real ao Cais das Colunas.

A Marcha do Orgulho LGBT, que decorreu hoje em Lisboa, juntou largas centenas de portugueses e estrangeiros, ativistas, políticos e muitos cidadãos anónimos. O encontro estava marcado para as 17:00 no Príncipe Real e o calor que esteve hoje em Lisboa, a passar os 30ºC, não demoveu centenas de pessoas de aparecerem para juntas marcharem até ao Cais das Colunas pelos direitos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros).

Na massa humana, que a Lusa acompanhou, estavam vários estrangeiros, como o casal de norte-americanos Erin e James Childre, na companhia das três filhas pequenas. De férias, "a viajar pelo mundo", Erin e James decidiram juntar-se à marcha por serem "grandes apoiantes dos direitos LGBT" e estarem a ensinar às filhas "lições sobre o amar o outro, não importa o quê". "Direitos para todos!", gritou Erin.

Na companhia de amigos estrangeiros estava o português João Beltrão. "Vim mostrar a pessoas de outros países (França e China) o 'Pride' [Orgulho] Lisboa, embora seja um pouco diferente dos que há em Londres, em Paris ou em Nova Iorque", disse à Lusa.

Em Lisboa esta marcha é diferente, explicou, por ser "algo mais político do que uma festa muito grande". "Mas pela diferença vale a pena mostrar, vale a pena que vejam", garantiu. Este ano, na marcha de Lisboa estiveram presentes 22 organizações, pelo menos quatro eram partidos/movimentos políticos: o Bloco de Esquerda (BE), o Livre/Tempo de Avançar, o Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e o Movimento Alternativa Socialista (MAS).

Para Catarina Martins, dirigente do BE, "estar nesta marcha é fazer parte do compromisso de unir forças para que não passe da próxima legislatura essa exigência da Democracia de que todas as famílias sejam tratadas em condição de igualdade [referindo-se à adoção por casais do mesmo sexo]".

Os direitos "plenos" LGBT, "incluindo o direito de um casal de pessoas do mesmo sexo poder, como qualquer outro casal, adotar", está também "bastante presente na agenda inadiável" do Livre/Tempo de Avançar, de acordo com o dirigente daquele movimento Daniel Oliveira.

Para Daniel Cardoso, da organização da marcha, uma das formas "mais diretas e mais necessárias de agir socialmente é criar visibilidade, porque esta visibilidade luta contra o silêncio". "E lutar contra o silêncio é lutar contra a violência do silêncio e lutar contra a violência que se esconde no silêncio", afirmou. "Contra a violência, quebra o silêncio" foi o lema escolhido este ano para a marcha.

Eduarda Ferreira, também da organização, explicou que esta violência não é apenas "a violência física das ruas", mas também "a invisibilidade, a pressão enorme que existe relativa ao estigma social ao ponto de as pessoas sentirem necessidade de ocultar uma parte importante da sua vida, da sua identidade".

Para Eduarda Ferreira é preciso combater a "violência do silenciamento, que leva pessoas a ficarem invisíveis no dia-a-dia, a célebre expressão de estar no armário, não por capricho pessoal mas por necessidade e por defesa, para não serem alvo nem vítimas de discriminação".

Foi por sentir "orgulho" e "vontade de ser livre" que Helena, de 18 anos, decidiu participar hoje na marcha, tal como já tinha feito em anos anteriores. Como ela, muitos outros adolescentes desfilaram do Príncipe Real ao Cais das Colunas.

Ângela Ferreira, da Amnistia Internacional, fê-lo para relembrar que, "há pessoas que por terem uma orientação sexual diferente veem todos os dias os seus direitos mais básicos violados" e que, "apesar de se considerar que a família é um bem comum e essencial a todos ainda não está assegurado para toda a gente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.