Marcha do Orgulho LGBT juntou largas centenas de portugueses e estrangeiros em Lisboa

Centenas de pessoas participaram na marcha que se realizou entre o Príncipe Real ao Cais das Colunas.

A Marcha do Orgulho LGBT, que decorreu hoje em Lisboa, juntou largas centenas de portugueses e estrangeiros, ativistas, políticos e muitos cidadãos anónimos. O encontro estava marcado para as 17:00 no Príncipe Real e o calor que esteve hoje em Lisboa, a passar os 30ºC, não demoveu centenas de pessoas de aparecerem para juntas marcharem até ao Cais das Colunas pelos direitos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros).

Na massa humana, que a Lusa acompanhou, estavam vários estrangeiros, como o casal de norte-americanos Erin e James Childre, na companhia das três filhas pequenas. De férias, "a viajar pelo mundo", Erin e James decidiram juntar-se à marcha por serem "grandes apoiantes dos direitos LGBT" e estarem a ensinar às filhas "lições sobre o amar o outro, não importa o quê". "Direitos para todos!", gritou Erin.

Na companhia de amigos estrangeiros estava o português João Beltrão. "Vim mostrar a pessoas de outros países (França e China) o 'Pride' [Orgulho] Lisboa, embora seja um pouco diferente dos que há em Londres, em Paris ou em Nova Iorque", disse à Lusa.

Em Lisboa esta marcha é diferente, explicou, por ser "algo mais político do que uma festa muito grande". "Mas pela diferença vale a pena mostrar, vale a pena que vejam", garantiu. Este ano, na marcha de Lisboa estiveram presentes 22 organizações, pelo menos quatro eram partidos/movimentos políticos: o Bloco de Esquerda (BE), o Livre/Tempo de Avançar, o Pessoas-Animais-Natureza (PAN) e o Movimento Alternativa Socialista (MAS).

Para Catarina Martins, dirigente do BE, "estar nesta marcha é fazer parte do compromisso de unir forças para que não passe da próxima legislatura essa exigência da Democracia de que todas as famílias sejam tratadas em condição de igualdade [referindo-se à adoção por casais do mesmo sexo]".

Os direitos "plenos" LGBT, "incluindo o direito de um casal de pessoas do mesmo sexo poder, como qualquer outro casal, adotar", está também "bastante presente na agenda inadiável" do Livre/Tempo de Avançar, de acordo com o dirigente daquele movimento Daniel Oliveira.

Para Daniel Cardoso, da organização da marcha, uma das formas "mais diretas e mais necessárias de agir socialmente é criar visibilidade, porque esta visibilidade luta contra o silêncio". "E lutar contra o silêncio é lutar contra a violência do silêncio e lutar contra a violência que se esconde no silêncio", afirmou. "Contra a violência, quebra o silêncio" foi o lema escolhido este ano para a marcha.

Eduarda Ferreira, também da organização, explicou que esta violência não é apenas "a violência física das ruas", mas também "a invisibilidade, a pressão enorme que existe relativa ao estigma social ao ponto de as pessoas sentirem necessidade de ocultar uma parte importante da sua vida, da sua identidade".

Para Eduarda Ferreira é preciso combater a "violência do silenciamento, que leva pessoas a ficarem invisíveis no dia-a-dia, a célebre expressão de estar no armário, não por capricho pessoal mas por necessidade e por defesa, para não serem alvo nem vítimas de discriminação".

Foi por sentir "orgulho" e "vontade de ser livre" que Helena, de 18 anos, decidiu participar hoje na marcha, tal como já tinha feito em anos anteriores. Como ela, muitos outros adolescentes desfilaram do Príncipe Real ao Cais das Colunas.

Ângela Ferreira, da Amnistia Internacional, fê-lo para relembrar que, "há pessoas que por terem uma orientação sexual diferente veem todos os dias os seus direitos mais básicos violados" e que, "apesar de se considerar que a família é um bem comum e essencial a todos ainda não está assegurado para toda a gente".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?