Marcelo vende Portugal na Suíça: "O melhor país do mundo"

Presidente mantém silêncio sobre OE. Empresas e centros de investigação na agenda

"Não se sente o gelo porque o calor humano criado pelos portugueses surpreende até os suíços." No meio da pista do pavilhão de hóquei no gelo, em Genebra, e perante algumas centenas de emigrantes, Marcelo Rebelo de Sousa revelou-se um Chefe do Estado "otimista" com o futuro de Portugal. "É o maior e melhor país do mundo", disse o Presidente da República, rematando a ideia de que não é "um país do passado" mas "do futuro".

Palavras que marcaram o início da viagem de três dias de Marcelo Rebelo de Sousa à Suíça, onde voltou a recusar falar do Orçamento do Estado para 2017. Um assunto que será inevitável abordar nas audiências de quinta e sexta-feira com os partidos com assento parlamentar. "Eu de três em três meses ouço os partidos e agora há uma razão muito importante para os ouvir, que é o Orçamento e, por outro lado, o fecho do ano civil - no fundo, já estamos a dois meses do fim do ano. É boa razão para os ouvir", afirmou.

Ontem, ao final da tarde, depois de aterrar em Genebra, Marcelo tinha encontro marcado com emigrantes portugueses, em Genebra. Juntaram-se cerca de duas mil para o ouvir. Ao som de ranchos folclóricos e de uma tuna portuguesa composta por emigrantes, o Presidente elogiou os portugueses e destacou a importância de uma das comunidades que "mais apoia a economia nacional". Depois destas palavras foi confrontado com a presença de duas dezenas de lesados do BES, que se queixam de ter sido "roubados", mas a quem prometeu apoio, embora sem "nada de concreto", de acordo com a porta-voz do grupo.

No programa desta deslocação à Suíça - a primeira de um Presidente português nos últimos 16 anos -, dividida entre Genebra e Berna, Marcelo visita empresas e centros de investigação. Nos encontros com o governo suíço, a educação, a economia e a relação com a Europa vão ser os temas fortes no diálogo entre os dois Estados.

"O objetivo da visita é intensificar ainda mais as boas e estreitas relações que existem entre a Suíça e Portugal, especialmente a nível humano e económico", refere o governo suíço em comunicado.

Nesta manhã, Marcelo é recebido pelo presidente da Confederação Helvética. Johann Schneider--Ammann já assumiu que a Suíça pretende intensificar as relações com Lisboa e "a cooperação sobre questões bilaterais, em particular nas áreas da formação e investigação", a par dos "assuntos económicos e internacionais" são os focos dos encontros em Genebra e em Berna.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, acompanham o Presidente.

O programa oficial começa com uma visita a dois centros de investigação. O Campus Biotech destaca-se por ser "um centro de excelência para a investigação em biotecnologia e ciências da vida" e o Human Brain Project propõe-se "aumentar o conhecimento nas áreas da neurociência, computação e medicina relacionada com o cérebro".

Marcelo segue depois viagem para Berna, onde, de acordo com o protocolo, vai ser recebido com honras militares e encontrar-se com membros do Parlamento suíço e com líderes do executivo para tratar dos temas da agenda.

Amanhã, o Presidente visita uma empresa tida como um exemplo daquilo a que os suíços chamam vocacional training, com o objetivo de dar destaque ao sistema de ensino que é opção de sete em cada dez alunos na Suíça. Esta via de ensino permite-lhes a partir dos 15 anos ter contacto com uma profissão, através de aulas práticas quase diárias, no próprio local de trabalho e com teoria em sala de aula uma ou duas vezes por semana.

Ainda amanhã, antes de regressar a Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa visitará o Museu Franz Gertsch, o artista suíço de 86 anos destacado na pintura hiper-realista

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.