Marcelo também está contra alteração da lei por causa da CGD

Governo está cada vez mais sozinho na sua intenção de mexer na legislação para permitir a nomeação dos administradores "chumbados" pelo BCE

O Presidente da República não vê com bons olhos a ideia do Governo de alterar a lei bancária para permitir a nomeação dos oito administradores não executivos para a Caixa Geral de Depósitos que foram rejeitados pelo Banco Central Europeu (BCE).

Marcelo Rebelo de Sousa encontra-se ainda de férias, mas a SIC Notícias avança este domingo que esta é a sua posição relativamente à matéria, e que o chefe de Estado irá pronunciar-se publicamente sobre a mesma durante a próxima semana.

Desta forma, o Executivo de António Costa fica ainda mais sozinho na questão. Não encontra apoios à esquerda, como o DN noticiou, tendo Bloco de Esquerda e PCP já afirmado serem totalmente contrários à proposta.

A iniciativa partiu do secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, Mourinho Félix, após o BCE ter aprovado a equipa de administradores executivos proposta para a Caixa Geral de Depósitos mas ter recusado oito nomes propostos para administradores não executivos.

Ainda segundo a SIC Notícias, também a ideia do Governo de permitir que o fisco tenha acesso às contas bancárias dos contribuintes obtém o total desacordo do Presidente da República. Uma matéria a que o Governo já admitiu rever:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.