Marcelo também brilhou na visita dos reis de Espanha

Portuenses e turistas receberam com entusiasmo Felipe VI e Letizia nos Aliados. Depois, em Guimarães, prestaram homenagem a D. Afonso Henriques. Hoje seguem para Lisboa

Meia hora antes da chegada dos reis de Espanha à Praça General Humberto Delegado, no Porto, Estrela e Irnacio já guardavam lugar junto às grades de proteção para ver passar Felipe VI e Letizia. "Somos das Astúrias. Antes de ser rainha, víamos a Letizia muitas vezes, mas desde então que não a vimos tão perto", contou Irnacio ao DN. São turistas e souberam da visita pela televisão. "É muito importante que se criem laços de confraternidade. Portugal e Espanha devem estar unidos no afeto, na política e em tudo", atirou Estrela. A união dos dois países fez também parte do discurso do Presidente da República antes do jantar que ofereceu aos reis nos Paços dos Duques de Bragança, em Guimarães, e onde se prestou homenagem a D. Afonso Henriques.

Muito antes de a noite cair, foi no Porto que se deram os primeiros vivas aos monarcas do país vizinho. Mas o primeiro a chegar foi Marcelo Rebelo de Sousa, às 10.50, e foi recebido com muitos aplausos e saudações. O presidente acenou e retribuiu com sorrisos. Felipe e Letizia chegaram às 11.14, tendo sido recebidos com honras militares pelo Chefe do Estado português. No momento em que saíram da viatura presidencial, um Rolls-Royce de 1969, centenas de smart- phones ergueram-se para fotografar os reis. Muitos aplausos e entusiasmo: "Viva o rei." Ouviram-se os dois hinos e uma salva de 21 tiros naquela que foi a primeira paragem de uma visita de Estado de três dias a Portugal.

Seguiram para uma sessão solene nos Paços do Concelho, na qual Felipe VI elogiou a "transformação impressionante que o Porto viveu nos últimos anos", uma modernização que teve "respeito pela história e tradição". Segundo o monarca, para isso contribuiu "sem dúvida" a "pujança" da Universidade do Porto e do seu Parque de Ciência e Tecnologia (UPTEC).

Cumprido o desejo de ver Letizia, Ângela Almeida, de 68 anos, disse ao DN que "o Porto realmente mudou muito". "Parecia que estava esquecido. Esta visita prova que estamos no mapa." A rainha "estava muito gira", mas lamenta que "a visita tenha sido curta": "Amanhã [hoje] vou ao Palácio da Bolsa." É lá que Felipe e Letizia almoçam com empresários portugueses e espanhóis, depois de visitarem o UPTEC e o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde.

Depois de os reis e o Chefe do Estado português entrarem no carro para irem visitar a exposição do artista catalão Joan Miró, patente na Casa de Serralves - onde só estiveram 20 minutos -, Manuel Augusto, de 80 anos, contava, de sorriso orgulhoso, o que o trouxe à Avenida dos Aliados. "Vim ver o meu filho, que é da GNR e passou na cavalaria." Mas "viria de qualquer forma", porque "queria ver o rei de Espanha e o nosso Presidente". A impressão com que ficou é de que "Marcelo é muito simpático".

Mas a visita de Estado não agradou a todos. "Estamos a gastar dinheiro, quando temos situações urgentes para resolver", disse Ferreira Lima, de 60 anos.

D. Afonso Henriques

Já à noite, em Guimarães, os reis de Espanha e o Presidente da República prestaram homenagem ao primeiro rei de Portugal. Seguiu-se um jantar oferecido por Marcelo a Felipe VI e Letizia, no Paço dos Duques de Bragança, e que contou com 120 convidados. Entre eles o primeiro--ministro António Costa, Ferro Rodrigues, Rui Moreira ou guarda-redes espanhol do FC Porto, Casillas. "Apesar de as relações entre Portugal e Espanha serem já excelentes a todos os níveis, fruto do contributo que os nossos governos e os nossos povos dão diariamente para que assim seja, ainda assim, queremos mais e melhor", disse Marcelo Rebelo de Sousa. Os reis de Espanha viajam hoje à tarde para Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.