Marcelo saúda iniciativa de Costa e recorda o "general sem medo"

Cerimónia de mudança de nome do Aeroporto de Lisboa decorreu na manhã deste domingo

O Presidente da República saudou hoje a iniciativa do primeiro-ministro de atribuir o nome de Humberto Delgado ao aeroporto de Lisboa e assinalou o "amplíssimo consenso" existente em Portugal sobre o "general sem medo".

Na cerimónia de renomeação do aeroporto de Lisboa, António Costa defendeu que este era "um ato de justiça histórica" e disse que teve "o privilégio de ter podido propor, como presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e de agora poder consagrar, como primeiro-ministro, esta homenagem" a Humberto Delgado.

Em seguida, Marcelo Rebelo de Sousa considerou "simbólico que seja um Governo de esquerda, porventura o mais à esquerda nos seus apoios dos últimos longos anos, a decidir, e um Presidente de centro-direita a dar a chancela a uma homenagem que assim retrata em consenso nacional uma vida e uma obra".

Segundo o chefe de Estado, já "ao romper o 25 de Abril" Humberto Delgado "era referência inquestionável para quadrantes tão diversos como socialistas, sociais-democratas, liberais, sociais-cristãos, comunistas e militantes de partidos de esquerda revolucionária".

"Une-nos a todos a evocação de um vulto decisivo para o que viria a ser aviação, aeroporto, transportes aéreos portugueses, aeronáutica militar. Mas une-nos mais ainda a memória invulgar de um homem invulgar, que recolhe o tal consenso amplíssimo em democracia", acrescentou.

Na sua intervenção, o Presidente da República salientou que esta era uma iniciativa "largamente devida" ao primeiro-ministro, António Costa, "e que o tempo tornou mais premente" e falou na importância dos "arrojados" e "sonhadores" para as democracias.

"Sem os rigorosos, os gestores, os previsíveis, as democracias podem, quiçá, perder-se por falta de sustentabilidade. Mas sem os arrojados, os sonhadores, os pioneiros, elas nunca teriam nascido ou renascido", afirmou.

Referindo-se a Humberto Delgado como "um arrojado, sonhador, pioneiro", o chefe de Estado concluiu: "É justo que a democracia lhe agradeça atribuindo o seu nome a um aeroporto que ele ajudou a lançar muito antes de ter corrido o risco supremo, o da própria vida, para que pudéssemos viver livre e democraticamente em Portugal".

No mesmo sentido, o primeiro-ministro declarou que "a atribuição do nome de Humberto Delgado a este aeroporto internacional representa a renovada homenagem a um pioneiro da aviação comercial e a um herói da liberdade".

António Costa destacou o "alto valor pedagógico" da renomeação do aeroporto de Lisboa, considerando que "as gerações novas ao verem e ouvirem este nome quando daqui partirem ou daqui chegarem vão interrogar-se sobre quem é".

"E ficarão a saber que a liberdade que hoje nos é tão natural como o ar que respiramos nos foi longamente negada e que por ela combateram, sofreram e morreram muitos portugueses", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.