Marcelo saúda iniciativa de Costa e recorda o "general sem medo"

Cerimónia de mudança de nome do Aeroporto de Lisboa decorreu na manhã deste domingo

O Presidente da República saudou hoje a iniciativa do primeiro-ministro de atribuir o nome de Humberto Delgado ao aeroporto de Lisboa e assinalou o "amplíssimo consenso" existente em Portugal sobre o "general sem medo".

Na cerimónia de renomeação do aeroporto de Lisboa, António Costa defendeu que este era "um ato de justiça histórica" e disse que teve "o privilégio de ter podido propor, como presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e de agora poder consagrar, como primeiro-ministro, esta homenagem" a Humberto Delgado.

Em seguida, Marcelo Rebelo de Sousa considerou "simbólico que seja um Governo de esquerda, porventura o mais à esquerda nos seus apoios dos últimos longos anos, a decidir, e um Presidente de centro-direita a dar a chancela a uma homenagem que assim retrata em consenso nacional uma vida e uma obra".

Segundo o chefe de Estado, já "ao romper o 25 de Abril" Humberto Delgado "era referência inquestionável para quadrantes tão diversos como socialistas, sociais-democratas, liberais, sociais-cristãos, comunistas e militantes de partidos de esquerda revolucionária".

"Une-nos a todos a evocação de um vulto decisivo para o que viria a ser aviação, aeroporto, transportes aéreos portugueses, aeronáutica militar. Mas une-nos mais ainda a memória invulgar de um homem invulgar, que recolhe o tal consenso amplíssimo em democracia", acrescentou.

Na sua intervenção, o Presidente da República salientou que esta era uma iniciativa "largamente devida" ao primeiro-ministro, António Costa, "e que o tempo tornou mais premente" e falou na importância dos "arrojados" e "sonhadores" para as democracias.

"Sem os rigorosos, os gestores, os previsíveis, as democracias podem, quiçá, perder-se por falta de sustentabilidade. Mas sem os arrojados, os sonhadores, os pioneiros, elas nunca teriam nascido ou renascido", afirmou.

Referindo-se a Humberto Delgado como "um arrojado, sonhador, pioneiro", o chefe de Estado concluiu: "É justo que a democracia lhe agradeça atribuindo o seu nome a um aeroporto que ele ajudou a lançar muito antes de ter corrido o risco supremo, o da própria vida, para que pudéssemos viver livre e democraticamente em Portugal".

No mesmo sentido, o primeiro-ministro declarou que "a atribuição do nome de Humberto Delgado a este aeroporto internacional representa a renovada homenagem a um pioneiro da aviação comercial e a um herói da liberdade".

António Costa destacou o "alto valor pedagógico" da renomeação do aeroporto de Lisboa, considerando que "as gerações novas ao verem e ouvirem este nome quando daqui partirem ou daqui chegarem vão interrogar-se sobre quem é".

"E ficarão a saber que a liberdade que hoje nos é tão natural como o ar que respiramos nos foi longamente negada e que por ela combateram, sofreram e morreram muitos portugueses", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.