Marcelo recusa abordar caso de Manuel Pinho porque está "nas mãos da justiça"

Antigo ministro da Economia é acusado de receber cerca de um milhão de euros entre 2006 e 2012

O Presidente da República recusou hoje novamente abordar o caso que envolve Manuel Pinho, que motivou um pedido de audição do PSD e uma proposta de inquérito parlamentar do BE, por este se encontrar "nas mãos da justiça".

Marcelo Rebelo de Sousa tem reiterado sobre este e outros casos, como o do antigo primeiro-ministro José Sócrates, que não comenta processos judiciais, e hoje reafirmou essa posição, a propósito do caso de Manuel Pinho, que entretanto entrou na esfera parlamentar.

À saída de uma iniciativa na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, confrontado com o facto de agora esta matéria estar a ser colocada nos planos da política e da ética, o chefe de Estado respondeu, uma vez mais: "Não quero pronunciar-me sobre casos concretos".

Em seguida, referiu: "Não sendo ainda Presidente da República tive ocasião de dizer o que pensava, e que mantenho, e hoje é um dia propício a isso, porque é o dia da liberdade de imprensa, quanto à independência perante os poderes políticos e os poderes económicos, portanto, perante os casos de ligação entre poderes políticos e poderes económicos".

Interrogado sobre o efeito para o sistema político de casos como o que envolve Manuel Pinho, ministro da Economia no primeiro Governo de José Sócrates, Marcelo Rebelo de Sousa manteve a sua posição: "Eu não queria pronunciar-me sobre um caso específico, ademais encontrando-se nas mãos da justiça".

No dia 19 de abril o jornal Observador noticiou a existência de suspeitas de Manuel Pinho, antigo ministro da Economia, ter recebido cerca de um milhão de euros entre 2006 e 2012, período correspondendo ao seu exercício de funções governamentais.

Citando um despacho de 11 de abril dos procuradores Carlos Casimiro e Hugo Neto, consultado nos autos do caso EDP, o mesmo jornal adiantou que as transferências "terão sido realizadas 'por ordem de Ricardo Salgado [antigo presidente do Banco Espírito Santo] ao 'aqui arguido, ex-ministro da Economia Manuel Pinho'", através de 'offshores'.

O Presidente da República já tinha sido questionado sobre este caso no dia 23 de abril, e na altura também respondeu que não comenta casos judiciais concretos, pronunciando-se, no entanto, sobre a importância de uma "justiça rápida".

"A justiça rápida é mais justa. Uma justiça não rápida não é justa", defendeu, considerando que este é "o único ponto em que o Presidente se pode pronunciar".

"É muito importante -- mas é na justiça, como é na saúde, como é na educação -- que não haja um choque entre as expectativas e a realidade. As expectativas que se criam quando há muitas notícias sobre muitos casos é de que vai haver um processo rápido e uma decisão que não fica para as calendas gregas", sustentou.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que "a realidade, às vezes, em vários domínios da vida portuguesa, é que se passam meses, anos, às vezes décadas, e as pessoas, supondo que não morreram ainda, já desesperaram de ver um resultado que corresponda às expectativas".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.