Marcelo Rebelo de Sousa encontrou-se com Fidel Castro em Havana

Não há, para já, qualquer detalhe do encontro do chefe de Estado com o líder histórico cubano. Aguardam-se as imagens

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, encontrou-se hoje com o líder histórico cubano Fidel Castro, em Havana, durante a sua visita de Estado a Cuba, disse à Lusa fonte da Presidência da República.

Não foram adiantados, por enquanto, quaisquer detalhes deste encontro entre o chefe de Estado português e o antigo Presidente e primeiro-ministro de Cuba. Aguardam-se as imagens do momento.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou à capital cubana na terça-feira à noite, já madrugada de hoje em Lisboa, para uma visita de Estado inédita a Cuba, que termina na quinta-feira.

Fidel Castro, que está com 90 anos, esteve no poder em Cuba durante quase meio século, entre 1959 e 2006, quando se afastou por motivos de saúde.

Durante a última década, Fidel fez poucas aparições públicas, mas tem sido um anfitrião de Presidentes e de outras personalidades que visitam Cuba.

Hoje, em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que Fidel Castro assinala "um certo tempo", lembrando que os jovens da sua geração "acompanhavam à distância" a figura do líder cubano, "uns concordando muito, outros discordando muito".

"Como sabem, eu não era propriamente dos apoiantes, não direi da personagem em si mesmo, mas da política que representava. Em qualquer caso, há na vida personalidades com as quais concordamos ou não concordamos, mas que assinam um certo tempo, isso é um facto", acrescentou.

Questionado sobre se imaginava algum dia encontrar-se com Fidel Castro, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu: "Ah, não, isso eu não imaginava, pois se eu não imaginava ser Presidente da República".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.