Marcelo pede unidade ibérica: "Temos de lutar juntos"

O Presidente da República defendeu ainda a ideia de uma Europa unida que crie emprego e justiça social

"Os próximos meses serão decisivos para a Europa", disse esta terça-feira o Presidente da República, num seminário empresarial luso-espanhol organizado em Madrid pela CEOE (Confederação Espanhola das Organizações Empresariais).

No segundo dia da sua visita de Estado a Espanha - ao qual se juntou o MNE (ministro dos Negócios Estrangeiros) português Augusto Santos Silva - e perante empresários espanhóis e portugueses, bem como na presença do ministro espanhol da Economia, Marcelo Rebelo de Sousa apelou (discursando no seu espanhol muito próprio): "Necessitamos de lutar juntos."

O Presidente referiu especificamente os dossiês da PAC, da União Económica e Monetária e da União Bancária. Mas falou também na necessidade de um esforço comum ibérico para que se criem na UE "instituições fortes" pois só isso "trava populismos". "É importante que a Europa não adie decisões e não se divida no essencial" e tudo isto ao serviço de um objetivo "nuclear": "Criar emprego e justiça social."

Quanto a Portugal e Espanha, devem unir-se na luta por "um mundo mais aberto e não protecionista, por uma Europa mais unida e forte". E isto sem que os dois países alimentem "complexos de inferioridade ou superioridade recíprocos" ou percam tempo com "abcessos de fixação". "É preciso" - disse ainda - "potenciar as interconexões de todo o género entre os dois países."

Do estrito ponto de vista das relações económicas Portugal-Espanha, Marcelo Rebelo de Sousa salientou o papel das pequenas e médias empresas, as quais, segundo disse, criaram um "tecido" que reforçou a "coesão social e territorial" nos dois países. Mas é preciso, pediu, ir mais longe e "os próximos cinco anos serão decisivos para desenvolver e aprofundar este processo".

Uma terceira "ideia forte" que defendeu foi a de "estender a cooperação empresarial aos centros académicos e de investigação científica e tecnológica". Porque - explicou - "é passado a cooperação comercial por um lado e a tecnológica por outro."

Do encontro empresarial, o PR seguiu para um encontro com jovens na residência do embaixador de Portugal em Madrid. À tarde irá às Cortes (o Parlamento espanhol), estando também na agenda um encontro com o presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.