Marcelo pede unidade ibérica: "Temos de lutar juntos"

O Presidente da República defendeu ainda a ideia de uma Europa unida que crie emprego e justiça social

"Os próximos meses serão decisivos para a Europa", disse esta terça-feira o Presidente da República, num seminário empresarial luso-espanhol organizado em Madrid pela CEOE (Confederação Espanhola das Organizações Empresariais).

No segundo dia da sua visita de Estado a Espanha - ao qual se juntou o MNE (ministro dos Negócios Estrangeiros) português Augusto Santos Silva - e perante empresários espanhóis e portugueses, bem como na presença do ministro espanhol da Economia, Marcelo Rebelo de Sousa apelou (discursando no seu espanhol muito próprio): "Necessitamos de lutar juntos."

O Presidente referiu especificamente os dossiês da PAC, da União Económica e Monetária e da União Bancária. Mas falou também na necessidade de um esforço comum ibérico para que se criem na UE "instituições fortes" pois só isso "trava populismos". "É importante que a Europa não adie decisões e não se divida no essencial" e tudo isto ao serviço de um objetivo "nuclear": "Criar emprego e justiça social."

Quanto a Portugal e Espanha, devem unir-se na luta por "um mundo mais aberto e não protecionista, por uma Europa mais unida e forte". E isto sem que os dois países alimentem "complexos de inferioridade ou superioridade recíprocos" ou percam tempo com "abcessos de fixação". "É preciso" - disse ainda - "potenciar as interconexões de todo o género entre os dois países."

Do estrito ponto de vista das relações económicas Portugal-Espanha, Marcelo Rebelo de Sousa salientou o papel das pequenas e médias empresas, as quais, segundo disse, criaram um "tecido" que reforçou a "coesão social e territorial" nos dois países. Mas é preciso, pediu, ir mais longe e "os próximos cinco anos serão decisivos para desenvolver e aprofundar este processo".

Uma terceira "ideia forte" que defendeu foi a de "estender a cooperação empresarial aos centros académicos e de investigação científica e tecnológica". Porque - explicou - "é passado a cooperação comercial por um lado e a tecnológica por outro."

Do encontro empresarial, o PR seguiu para um encontro com jovens na residência do embaixador de Portugal em Madrid. À tarde irá às Cortes (o Parlamento espanhol), estando também na agenda um encontro com o presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.