Marcelo pede estabilidade, convergências e ajustamento do sistema representativo

O chefe de Estado advertiu para a importância do "respeito atento da soberania popular"

O Presidente da República defendeu hoje que Portugal precisa de "estabilidade política, busca de convergências de regime, preocupação de ajustamento do sistema representativo", e também de "melhoria na justiça, garantia nas funções clássicas do Estado".

Num discurso no Palácio Nacional de Queluz, Marcelo Rebelo de Sousa advertiu para a importância do "respeito atento da soberania popular", afirmando que não se pode dar "uma aberta ao populismo, à demagogia, à xenofobia, aos cantos de sereia dos messianismos, dos sebastianismos, dos providencialismos verbalistas ou musculados".

O chefe de Estado falava no Palácio Nacional de Queluz, na cerimónia de apresentação de cumprimentos de ano novo do corpo diplomático acreditado em Portugal, perante o qual apresentou a política externa portuguesa como "previsível, consistente" e considerou que o país vive uma nova fase de internacionalização.

Esta política externa tem a seu lado uma política interna que acompanha e ajuda a concretizar, e essa é hoje clara: crescimento e emprego, investimento e exportações, turismo e digital, novas tecnologias e energias renováveis

Em seguida, então, Marcelo Rebelo de Sousa elencou os fatores que considera fundamentais para realizar essa política. "Para tanto: finanças sãs, equilíbrio orçamental, redução dos juros da dívida, consolidação bancária, concertação social, explícita ou implícita", declarou.

No seu entender, é preciso "também educação, qualificação, inovação, correção de injustiças e desigualdades - no território, nos grupos, nas pessoas -, apostas em novas parcerias em setores-chave, renovação do tecido empresarial, melhoria na justiça, garantia nas funções clássicas do Estado e nos sistemas sociais".

"Tudo assente em estabilidade política, busca de convergências de regime, preocupação de ajustamento do sistema representativo, proximidade das pessoas, respeito atento da soberania popular - para não darmos uma aberta ao populismo, à demagogia, à xenofobia, aos cantos de sereia dos messianismos, dos sebastianismos, dos providencialismos verbalistas ou musculados", completou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.