Marcelo lembra "palavra poderosa e sentida" do povo a Mário Soares: "Obrigado"

Principais figuras do Estado homenagearam Mário Soares no cemitério dos Prazeres, em Lisboa, um ano após a sua morte.

O Presidente da República considerou este domingo que "Mário Soares continua vivo" e evocou a "palavra muito simples, poderosa, sentida", com que o povo português lhe agradeceu no dia da sua morte, há um ano: "Obrigado."

"Obrigado por ter sido quem foi e ter dado o que deu" a Portugal, nomeadamente ter fechado um "ciclo decisivo" da história nacional que foi a passagem da ditadura para a democracia, realçou o Chefe do Estado, numa cerimónia na capela do cemitério dos Prazeres e em que participaram o presidente do Parlamento, o primeiro-ministro, o presidente da Câmara de Lisboa e os filhos Isabel e João Soares, além de dezenas de amigos, admiradores e outros familiares.

Tanto "o homem" que foi Mário Soares como "o seu testemunho", continuou Marcelo Rebelo de Sousa, "continuam vivos" um ano depois, desde logo a sua figura "de cabeça erguida, sorriso confiante e peito feito ao vento".

O primeiro-ministro, António Costa, sublinhou, por sua vez: "A nossa mais justa homenagem a Mário Soares é continuarmos o seu combate por um Portugal melhor."

"Sempre que lutamos por um Portugal mais desenvolvido e mais justo, homenageamos Mário Soares", adiantou António Costa, acrescentando: "Sempre que promovemos a liberdade e a cultura, homenageamos Mário Soares. Sempre que nos batemos por uma Europa mais solidária, homenageamos Mário Soares."

João Soares, outro dos oradores, lembrou a "inolvidável despedida" que representou a cerimónia fúnebre de há ano, a qual é tema de uma exposição, que foi inaugurada momentos depois, com 49 fotografias de 49 fotógrafos - e é já considerada como o modelo a seguir em futuros funerais de Estado.

Mário Soares, sublinhou ainda o filho, "mereceu ser o primeiro primeiro-ministro" depois de realizadas as primeiras eleições livres do pós-25 de Abril, "mereceu ser o primeiro civil eleito" como Presidente da República e também "mereceu ter o primeiro funeral de Estado no Portugal democrático".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.