"E se Cristiano concorresse a presidente?", brincou Trump com Marcelo

O Presidente da República falou de Cristiano Ronaldo e de Putin com o líder norte-americano. No final, Marcelo disse que o encontro correu bem e que os objetivos foram atingidos

A reunião de Marcelo Rebelo de Sousa e Donald Trump estava marcada para as 19:00 portuguesas e antes os dois chefes de Estado prestaram algumas declarações aos jornalistas na Sala Oval da Casa Branca, em Washington.

"Portugal é muito importante para o nosso país", referiu Donald Trump, sorridente, adiantando que "é uma grande honra receber o altamente respeitado Presidente de Portugal".

Numa declaração conjunta, onde Trump voltou a falar muito sobre a imigração por insistência da imprensa norte-americana que estava presente na sala. Quando as perguntas sobre política interna terminaram, Marcelo Rebelo de Sousa começou por lembrar que o vinho usado para brindar à independência dos Estados Unidos foi um Madeira e que a comunidade de imigrantes portugueses nos Estados Unidos está bem integrada. Marcelo falou de futebol e do mundial da Rússia; falou de Cristiano Ronaldo e do seu encontro em Moscovo com Vladimir Putin.

Trump disse não saber se ia à Rússia assistir a algum jogo de futebol, mas brincou com Marcelo: "E se Cristiano concorrer contra o presidente?" Marcelo foi rápido na resposta: "Portugal não é os Estados Unidos..."

"Os objetivos pretendidos foram atingidos"

Na reunião que se seguiu à porta fechada foram discutidos os temas da guerra comercial e da imigração. À saída do encontro, o Presidente da República português declarou que "foram discutidas posições importantes" e que tinham "sido atingidos os objetivos pretendidos."

"Foi um encontro caloroso e não por causa dos dois líderes serem pessoas calorosas, mas sim porque havia uma predisposição criada pelo calor existente entre os dois povos e pelo peso da comunidade portuguesa residente nos Estados Unidos", mencionou Marcelo Rebelo de Sousa no encontro com a imprensa, após a reunião na Casa Branca, na chancelaria da Embaixada de Portugal, em Washington.

Para o Presidente português o facto de entre os dois países existir 142 anos de história em comum aproxima-os mesmo que Portugal "não partilhe da mesma posição" que os EUA em certos assuntos.

"Cada parte expôs os seus pontos de vista e isso Portugal conseguiu. Foi importante explicar ao presidente norte-americano o porquê de ser importante para os EUA não criarem problemas com a União Europeia. Mesmo do ponto de vista da defesa, a Europa tem uma importância crucial para os EUA", referiu.

O chefe de Estado português prosseguiu dizendo que este foi um "encontro muito positivo", "porque havia uma disponibilidade para ouvir e para falar" de ambos os intervenientes.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.