Marcelo inicia "simbolicamente" visita a Cabo Verde com condecoração a Tito Paris

O Presidente da República afirmou hoje querer iniciar "simbolicamente" a visita de Estado a Cabo Verde com uma condecoração ainda em Lisboa ao músico cabo-verdiano Tito Paris, para sublinhar a importância da cultura.

Marcelo Rebelo de Sousa viaja para Cabo Verde dentro de poucas horas, país ao qual realiza uma visita de Estado de três dias, mas "quis que [a viagem] começasse mais cedo com esta condecoração".

"Será a única personalidade cabo-verdiana condecorada a propósito desta visita de Estado para mostrar que mais do que a política, mais do que os negócios, mais do que que a economia, mais do que as finanças, é a cultura o que importa", destacou o chefe de Estado português.

Tito Paris foi agraciado com o grau de comendador da Ordem do Mérito, destinada a galardoar atos ou serviços meritórios praticados no exercício de funções, públicas ou privadas, que revelem abnegação em favor da coletividade.

"Eu não sou homem de discursos, só sei cantar", disse, ao agradecer a condecoração, acrescentando que este "é mais um sonho" concretizado na sua vida.

No discurso que proferiu antes da condecoração, o Presidente da República referiu-se a Tito Paris como "um dos responsáveis pela divulgação da música de Cabo Verde em todo o mundo" e que tem contribuído "ampla e generosamente para a aproximação cultural" com Portugal.

Mas é também um fazedor de pontes, a sua vida é estabelecer pontes, abrindo caminho com a sua música e o seu ritmo africano. Uma dessas pontes é com Portugal, que sabemos que traz sempre no coração

Depois da condecoração e enquanto posava para algumas fotografias com Tito Paris, seus amigos e familiares, o Presidente da República aproveitou para lhe transmitir saudações do primeiro-ministro, António Costa, e do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e confessou um pensamento que teve antes da cerimónia: "Será que ele vai agradecer cantando?"

Tal não aconteceu, mas em declarações aos jornalistas no final da condecoração, o músico, cantor e compositor cabo-verdiano contou que já cantou com Marcelo Rebelo de Sousa e até disse qual seria a música que voltaria a entoar com o chefe de Estado português.

"Cantava uma música muito conhecida de todos os portugueses que é o 'Saudade' e desafiava também o senhor Presidente a cantar comigo, já cantou comigo", afirmou, lamentando não ter trazido hoje nenhum instrumento.

Sobre a visita de Marcelo Rebelo de Sousa a Cabo Verde, Tito Paris espera um "apertar de laços", sobretudo pela vertente cultural.

"Um povo que não tem cultura é um povo apagado", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.