Marcelo. "Há hoje uma atenção e uma prioridade que não houve no passado"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou ontem durante a visita ao Parque Nacional da Peneda Gerês (PNPG), que "há hoje uma atenção e uma prioridade da parte de todos os portugueses [em relação às florestas] que não houve no passado e isso é muito bom".

"Trata-se de uma causa nacional e esta ideia da proximidade da floresta e da importância da floresta é um salto qualitativo importante na nossa sociedade", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, reconhecendo que "os portugueses chegaram tarde à compreensão desta causa, mas também têm que perceber que o chamado país metropolitano vive noutra onda, não percebe tão bem a floresta, mas agora percebe melhor do que percebia".

O Presidente da República visitou o Parque Nacional da Peneda Gerês, onde há mais de um ano está a ser implementado um projeto piloto de preservação florestal, no mesmo dia em que o Governo, liderado por António Costa, decidiu participar em ações de limpeza em todo o país, numa iniciativa que o líder do PSD, Rui Rio, classificou de "ação de marketing" para desviar atenções da impreparação do país para lidar com os fogos.

Questionado pelos jornalistas, Marcelo escusou-se a comentar as declarações "que se podem esperar de um líder da oposição", preferindo salientar a unidade em torno desta "causa nacional" e o seu apoio a todas as iniciativas em favor da proteção da floresta.

"Todas as medidas que o Parlamento ou o Governo entendam aprovar por esta causa merece o apoio do Presidente, sem angústias, sem dúvidas, sem hesitações metafísicas porque é uma causa nacional. Não vale a pena especular e tentar encontrar divisões onde elas não existem", disse.

O Presidente da República foi recebido na Portela do Homem, no município de Terras de Bouro, pelo ministro do Ambiente, Matos Fernandes e pelo diretor do Parque Nacional da Peneda Gerês, Armando Loureiro, além do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, que trataram de apresentar o projeto piloto, implementado há mais de um ano, de prevenção de incêndios florestais e de valorização e recuperação de habitats naturais.

O investimento de 8,5 milhões de euros a executar ao longo de seis anos prende-se com o reforço da rede de telecomunicações, "com seis novas antenas que já foram colocadas, uma das que falta é exatamente aqui em Leonte" e um conjunto de ações de prevenção estrutural, que se encontram a ser efetuadas por 50 agentes florestais contratados para o efeito.

"Foi por isso que no Parque Nacional da Peneda Gerês conseguimos reduzir em 50 por cento a área ardida num ano tão trágico como o do ano passado", sublinhou o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, apontando para a encosta ardida em território espanhol destruída por um fogo que foi travado do lado de cá da fronteira.

"Já foram limpos cerca de 100 hectares e ao longo de estradas e caminhos numa extensão de cerca de 100 km mas, porque se trata de um Parque Nacional, estamos também a recuperar ecosistemas e a garantir que eles tenham as características originais, que melhor se adaptam a este território e que, consequentemente, melhor resistem ao fogo", revelou ainda ao Presidente da República o ministro Matos Fernandes.

Marcelo Rebelo de Sousa percorreu aquela zona do PNPG ao longo de cerca de 9 Km, efetuando duas paragens em Faial e Leonte, onde recordou a visita que fez àquele espaço em 1971 com um grupo de amigos, pouco tempo depois da inauguração.

No final, encontrou-se com um grupo de agentes florestais que se encontravam em ações de limpeza num terreno ainda com neve, cumprimentando um a um antes do habitual momento fotográfico, sem no entanto se atrever a manusear os equipamentos de limpeza florestal.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.