Marcelo garante que "há futuro" para o Arsenal do Alfeite

Marcelo Rebelo de Sousa homenageou passado dos estaleiros e dos trabalhadores que "fizeram o seu prestígio".

O Presidente da República assegurou esta quinta-feira que "existe futuro" para os estaleiros navais do Arsenal do Alfeite (AA).

Marcelo Rebelo de Sousa intervinha na visita à empresa de capitais exclusivamente públicos, onde homenageou "o passado da instituição" e também o dos "muitos que ainda servem" o AA.

"Há futuro e o Presidente da República veio certificar que existe futuro" para o AA, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, que ali esteve acompanhado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, pelo secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello - cujo avô fundou os estaleiros em 1939 -, e pelo comandante da Marinha, almirante Silva Ribeiro.

Após a apresentação do AA pela sua presidente, Andreia Ventura, Marcelo Rebelo de Sousa deixou uma "mensagem simbólica" de que a empresa "não vai parar e vai ter futuro, se possível para além do que muitos sonharam ou esperaram durante os últimos anos".

O Presidente da República fez depois rasgado elogio aos estaleiros: "Já começou esta viragem porque o Governo está apostado no futuro do AA e porque há uma linha de rumo" para os próximos anos que "é uma estratégia e não é uma tática".

Destacando que "o que é bom para o AA é bom para os municípios" da margem sul do rio Tejo, o Presidente da República insistiu em manifestar a sua "mensagem de confiança e de esperança" nos estaleiros: "Há uma missão, há uma estratégia, uma equipa, um relacionamento natural com a Armada, abertura ao mundo" com o processo de internacionalização em curso e onde se consegue "aproveitar o melhor dos mais antigos com o melhor dos mais novos sem conflito de gerações."

A este propósito, Andreia Ventura lembrou que a média de idades dos 504 trabalhadores atuais é de 48 anos e que, além dos 26 contratados em 2016 sem experiência para ali serem formados, está em curso um processo de admissão de mais 40 funcionários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?