Marcelo faz discurso de união: "Quanto mais coesos formos mais fortes seremos"

Marcelo Rebelo de Sousa mostrou-se preocupado com os tempos de "incerteza e desafio" que se vivem e prometeu estar atento aos mais carenciados

Marcelo Rebelo de Sousa anunciou que enquanto Presidente da República tudo fará "para unir aquilo que as conjunturas dividam". Num discurso de vitória em que alertou para os tempos de instabilidade, "incerteza e desafio" que se vivem, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou: "Um país como o nosso, a sair de uma crise económica e social profunda, não se pode dar ao luxo de desperdiçar energias". E acrescentou: "Quanto mais coesos formos mais fortes seremos no combate às injustiças e na promoção da credibilidade e da esperança no futuro".

Marcelo Rebelo de Sousa, que falava na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, justificou a escolha do local para o seu discurso de vitória como "uma escolha afetiva", ligada aos seus anos enquanto aluno e professor catedrático na instituição, que descreveu como sendo um lugar "de liberdade e de pluralismo".

"O povo é quem mais ordena e foi o povo quem me quis dar a honra de me escolher para Presidente da República de Portugal", disse o vigésimo presidente, deixando também uma palavra de reconhecimento àqueles que, não tendo apoiado a sua candidatura, foram também votar este domingo.

Marcelo Rebelo de Sousa tomará a posse no dia 9 de março, substituindo Aníbal Cavaco Silva. No seu discurso, o vencedor da noite saudou o atual Presidente da República e também os antecessores Ramalho Eanes, Jorge Sampaio e Mário Soares, dizendo que todos "serviram o interesse nacional."

Marcelo prometeu ainda prestar atenção preferencial aos mais carenciados, "os que vivem nas periferias da sociedade, de que fala o Papa Francisco".

O vigésimo presidente mostrou-se também preocupado com o crescimento económico e a estabilidade financeira. "Temos de agir com prudência para minimizar os riscos dispensáveis", afirmou. "Temos de ser capazes de crescer de forma sustentada, de gerar emprego, de corrigir injustiças sociais que a crise agravou, mas temos de fazer tudo isto sem comprometer a solidez financeira", disse.

Resumiu assim a sua visão para o país durante o seu mandato: "Em palavras simples e diretas: no tempo que aí vem, a opção é clara: ou crescemos economicamente de forma sustentada, criando justiça social, combatendo a exclusão, a pobreza e a desigualdade, ao mesmo tempo que moralizamos a vida pública e atalhamos as corrupções, ou só contribuiremos para agravar as tensões sociais e os radicalismos políticos".

Com sete freguesias por apurar, Marcelo Rebelo de Sousa era o candidato mais votado com 52% dos votos nas eleições presidenciais deste domingo.

Com Rui Pedro Antunes

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.