Marcelo preocupado com efeitos da situação europeia nos mercados

Presidente da República recordou que Portugal depende "muito da Europa" e que a desaceleração económica "é preocupante para todos"

O Presidente da República relativizou hoje o abrandamento do crescimento económico no primeiro trimestre, mas declarou-se preocupado com os efeitos da situação europeia nos mercados financeiros, manifestando o desejo de que haja uma estabilização

"Não escondo que a situação europeia é uma situação que está a provocar nos mercados financeiros uma subida das taxas de juro, porque há incertezas, dúvidas políticas com efeitos económicos e financeiros. Isso não depende de nós. Todos esperamos que haja uma estabilização e uma normalização depois destes picos", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado, que falava aos jornalistas, à saída de uma iniciativa na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, reforçou esta mensagem: "Nós dependemos muito da Europa e dependemos muito do mundo. Se a nível mundial e a nível europeu, sobretudo a nível europeu, houver desaceleração económica e problemas nomeadamente nos mercados financeiros, isso é preocupante para todos".

"Vamos acompanhar os próximos meses para ver exatamente como é que os mercados financeiros reagem", acrescentou.

Antes, o Presidente da República relativizou o abrandamento da economia portuguesa no primeiro trimestre -- em que o crescimento foi de 2,1% em termos homólogos e 0,4% em cadeia, desacelerando face ao último trimestre de 2017, segundo dados hoje dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Marcelo Rebelo de Sousa argumentou que "o primeiro trimestre do ano é sempre um trimestre relativamente fraco -- não é em Portugal, é fraco de uma maneira em geral, nomeadamente nas economias europeias -- e, depois, a economia tende a subir".

Interrogado sobre a situação política em Itália, o Presidente da República escusou-se a falar de "outros países", limitando-se a dizer que "há um dado novo destas últimas semanas" que espera que "não se prolongue para o futuro".

Sobre a atuação da União Europeia para evitar uma nova crise das dívidas soberanas em vários países, o chefe de Estado defendeu que "o Banco Central Europeu tem continuado a agir permanentemente, e teve um papel muito importante no passado, e tem no presente e terá no futuro, como estabilizador da situação financeira".

"É evidente que há fenómenos que são mais difíceis de controlar, se se prolongarem no tempo. Esperamos todos é que se não prolonguem no tempo", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.