Marcelo elogia Passos, Costa e portugueses pela melhoria do rating

Presidente da República diz que Portugal ganhou uma batalha mas não a guerra

A melhora do rating da República significa que "estão de parabéns os portugueses" e os governos de Passos Coelho e António Costa, afirmou esta segunda-feira o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas em Málaga, durante a visita ao destacamento da Força Aérea que está a apoiar as autoridades espanholas no combate à imigração ilegal.

A agência de notação financeira Standard and Poor's decidiu sexta-feira tirar Portugal do 'lixo', subindo o 'rating' atribuído à dívida soberana portuguesa de 'BB+' para 'BBB-', que é um primeiro nível de investimento.

Abrindo "uma exceção" para comentar essa decisão estando no estrangeiro, Marcelo estendeu os parabéns aos partidos políticos e aos parceiros sociais que apoiaram os governos PSD/CDS e o da geringonça, o qual "conseguiu fazer o que muita gente" não acreditava ser possível.

De qualquer forma, frisou o Presidente, há mais batalhas pela frente de forma a que o país possa ganhar a guerra da consolidação das contas públicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...