Marcelo e Costa almoçam com Draghi e Carlos Costa

No Conselho de Estado na quinta-feira, Mário Draghi terá oportunidade de responder a algumas questões levantadas pelos conselheiros

O Presidente da República e o primeiro-ministro vão almoçar esta quinta-feira com Mário Draghi, o atual presidente do Banco Central Europeu (BCE), e Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, uma oportunidade para discutir a situação do sistema financeiro.

No almoço, antes do Conselho de Estado, tanto Mario Draghi como Carlos Costa serão convidados especiais do Presidente português, onde poderão discutir não apenas a evolução da economia europeia, tema do Conselho de Estado, mas também a situação em que o sistema financeiro português se encontra.

Segundo a TSF, o encontro surge também num momento em que existem vários "temas sensíveis" que poderão ser falados durante o almoço: fim do prazo dado pelo próprio BCE para que se chegue a um acordo no BPI sobre o Banco de Fomento de Angola, uma vez que se não houver acordo entre o catalão La Caixa e a angolana Isabel dos Santos o banco será alvo de pesadas multas do BCE; também a venda do Novo Banco, muito contestada à esquerda em Portugal; e o reforço de capitais necessário quer no BCP, quer no banco público, a Caixa Geral de Depósitos.

O presidente do BCE foi ainda convidado pelo Presidente da República para fazer um discurso no Conselho de Estado e depois responder a algumas perguntas dos conselheiros, enquanto Carlos Costa apenas assistirá ao Conselho de Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.