Marcelo desafia a direita a encontrar novas soluções

Presidente sublinha que o país "exige estabilidade política". Para o PSD, no entanto, a atual situação "nada tem de normal"

Dificilmente poderiam ter sido mais contrastantes os discursos do Presidente da República e do PSD ontem na sessão solene parlamentar que assinalou o 42.º aniversário do 25 de Abril.

Enquanto Marcelo Rebelo de Sousa reforçou os apelos ao apaziguamento na política ("unamo--nos no essencial", "mais instabilidade [e] mais insegurança não abre caminhos, fecha horizontes", "o estimulante pluralismo político não impede consensos setoriais de regime"), Paula Teixeira da Cruz pôs gasolina na fogueira acusando a esquerda de ter práticas com "odor ao salazarismo mais bafiento", além de mostrar "arrogância no exercício do poder". O país, disse, está "a assistir ao discurso da intolerância, à desonestidade intelectual nos argumentos e justificações e até às atitude persecutórias dos últimos tempos, incluindo a criação de conflitos artificiais por razões, em grande parte, de revanche pessoal, com assalto à administração pública ou a reguladores independentes". "Há falta de transparência na vida pública. A concertação social foi substituída por um acordo a três [partidos] na penumbra. Há falta de transparência no processo político e de escrutínio nesta Assembleia [da República]", acusou a ex-ministra da Justiça. Naquele que foi, de longe, de todos os discursos ontem ouvidos no Parlamento o mais duro com a governação, a deputada do PSD voltou implicitamente à tese segundo a qual a atual solução de apoio ao governo é ilegítima (porque foi a coligação PSD+CDS que venceu as legislativas). Pretende-se hoje, disse, "dar um aspeto de normalidade a uma situação que nada tem de normal!"

A direita que se adapte

Fazendo questão de recordar que não há ninguém que faça sombra à sua legitimidade política (o mandato do PR "é mais longo e mais sufragado do que os mandatos partidários"), Marcelo Rebelo de Sousa elencou as matérias em que espera "consensos setoriais de regime": Saúde, "vitalização do sistema político", "estabilidade do sistema financeiro", Justiça e Segurança Social.

Depois, desafiou muito claramente o PSD e o CDS a, de uma vez por todas, habituarem-se à ideia de que o tempo é outro, devendo adaptar as suas prioridades a esse tempo novo. Aqueles que "devem contestar", disse, que o façam "com firmeza", mas também "com noção de que o tempo não muda convicções mas pode alterar ou condicionar soluções".

Para o Presidente, o país já percebeu que "há neste momento dois caminhos muito bem definidos e diferenciados quanto à governação [e] ao modo de se atingir as metas nacionais" - e "para uns a governação atual é promissora e para outros um logro".

Mas, acrescentou, "Portugal não pode nem deve continuar a viver sistematicamente em campanha eleitoral". E o povo - "que é a verdadeira origem do poder" - "exige estabilidade política, crucial para a estabilidade económica e social", sendo isso "um sinal de pacificação democrática que deve reconfortar os portugueses". "Troquemos as emoções pelo bom senso", recomendou.

Marcelo desautorizou o discurso de combate do PSD, mas esse não foi ontem o único problema dos sociais-democratas.

A sessão solene serviu também para voltar a exibir a divisão dentro da antiga coligação PSD+CDS suscitada pelos programas de Estabilidade e Nacional de Reformas (documentos do governo que amanhã serão discutidos no plenário, sendo depois enviados para a Comissão Europeia).

Procurando afirmar o CDS como o partido líder da oposição, Nuno Magalhães estabeleceu um paralelismo entre o facto de o seu partido ter sido o único em 1976 a votar contra a Constituição e de ser agora o único a querer que se vote a substância dos dois documentos governamentais. "Há 40 anos, o CDS ficou sozinho na votação da então nova Constituição. Mas o tempo deu-nos razão. Não sei se ficaremos sozinhos ou acompanhados nesta proposta e neste pedido de votação dos planos de estabilidade e reformas. Mas sei que hoje, como então, muitos portugueses nos compreendem."

Insistindo nos temas tradicionais do CDS nesta ocasião, saudou por igual os militares que fizeram o 25 de Abril de 1974 e os que fizeram o 25 de Novembro de 1975, data que consolidou a via parlamentar do regime terminando com a via revolucionária.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.