Marcelo desafia a direita a encontrar novas soluções

Presidente sublinha que o país "exige estabilidade política". Para o PSD, no entanto, a atual situação "nada tem de normal"

Dificilmente poderiam ter sido mais contrastantes os discursos do Presidente da República e do PSD ontem na sessão solene parlamentar que assinalou o 42.º aniversário do 25 de Abril.

Enquanto Marcelo Rebelo de Sousa reforçou os apelos ao apaziguamento na política ("unamo--nos no essencial", "mais instabilidade [e] mais insegurança não abre caminhos, fecha horizontes", "o estimulante pluralismo político não impede consensos setoriais de regime"), Paula Teixeira da Cruz pôs gasolina na fogueira acusando a esquerda de ter práticas com "odor ao salazarismo mais bafiento", além de mostrar "arrogância no exercício do poder". O país, disse, está "a assistir ao discurso da intolerância, à desonestidade intelectual nos argumentos e justificações e até às atitude persecutórias dos últimos tempos, incluindo a criação de conflitos artificiais por razões, em grande parte, de revanche pessoal, com assalto à administração pública ou a reguladores independentes". "Há falta de transparência na vida pública. A concertação social foi substituída por um acordo a três [partidos] na penumbra. Há falta de transparência no processo político e de escrutínio nesta Assembleia [da República]", acusou a ex-ministra da Justiça. Naquele que foi, de longe, de todos os discursos ontem ouvidos no Parlamento o mais duro com a governação, a deputada do PSD voltou implicitamente à tese segundo a qual a atual solução de apoio ao governo é ilegítima (porque foi a coligação PSD+CDS que venceu as legislativas). Pretende-se hoje, disse, "dar um aspeto de normalidade a uma situação que nada tem de normal!"

A direita que se adapte

Fazendo questão de recordar que não há ninguém que faça sombra à sua legitimidade política (o mandato do PR "é mais longo e mais sufragado do que os mandatos partidários"), Marcelo Rebelo de Sousa elencou as matérias em que espera "consensos setoriais de regime": Saúde, "vitalização do sistema político", "estabilidade do sistema financeiro", Justiça e Segurança Social.

Depois, desafiou muito claramente o PSD e o CDS a, de uma vez por todas, habituarem-se à ideia de que o tempo é outro, devendo adaptar as suas prioridades a esse tempo novo. Aqueles que "devem contestar", disse, que o façam "com firmeza", mas também "com noção de que o tempo não muda convicções mas pode alterar ou condicionar soluções".

Para o Presidente, o país já percebeu que "há neste momento dois caminhos muito bem definidos e diferenciados quanto à governação [e] ao modo de se atingir as metas nacionais" - e "para uns a governação atual é promissora e para outros um logro".

Mas, acrescentou, "Portugal não pode nem deve continuar a viver sistematicamente em campanha eleitoral". E o povo - "que é a verdadeira origem do poder" - "exige estabilidade política, crucial para a estabilidade económica e social", sendo isso "um sinal de pacificação democrática que deve reconfortar os portugueses". "Troquemos as emoções pelo bom senso", recomendou.

Marcelo desautorizou o discurso de combate do PSD, mas esse não foi ontem o único problema dos sociais-democratas.

A sessão solene serviu também para voltar a exibir a divisão dentro da antiga coligação PSD+CDS suscitada pelos programas de Estabilidade e Nacional de Reformas (documentos do governo que amanhã serão discutidos no plenário, sendo depois enviados para a Comissão Europeia).

Procurando afirmar o CDS como o partido líder da oposição, Nuno Magalhães estabeleceu um paralelismo entre o facto de o seu partido ter sido o único em 1976 a votar contra a Constituição e de ser agora o único a querer que se vote a substância dos dois documentos governamentais. "Há 40 anos, o CDS ficou sozinho na votação da então nova Constituição. Mas o tempo deu-nos razão. Não sei se ficaremos sozinhos ou acompanhados nesta proposta e neste pedido de votação dos planos de estabilidade e reformas. Mas sei que hoje, como então, muitos portugueses nos compreendem."

Insistindo nos temas tradicionais do CDS nesta ocasião, saudou por igual os militares que fizeram o 25 de Abril de 1974 e os que fizeram o 25 de Novembro de 1975, data que consolidou a via parlamentar do regime terminando com a via revolucionária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?