Marcelo critica políticos intolerantes e elogia cidadãos que apoiam migrantes

Acrescentou que está "atento ao comportamento das lideranças políticas"

O Presidente da República criticou esta segunda-feira os políticos "protagonistas cimeiros da cena internacional" que têm um discurso intolerante e populista, e elogiou os cidadãos que apoiam como voluntários os refugiados e migrantes.

Marcelo Rebelo de Sousa falava na cerimónia de abertura das Conferências do Estoril, dedicada ao tema "Regulando uma Migração Sustentável", que começou quase duas horas depois do previsto, no Centro de Congressos do Estoril.

"Pessoalmente, o que vos quero dizer é que esta luta é uma luta cultural. Quando olhamos à volta e vemos responsáveis políticos, protagonistas cimeiros da cena internacional, defenderem o hipernacionalismo, a xenofobia, a intolerância, a reação básica e populista perante os desafios deste tempo, temos de responder culturalmente, de acordo com os princípios", declarou.

O Presidente da República defendeu que "é importante lutar por meios militares e segurança contra as ameaças vindas de fora", mas que "é muito mais importante não ceder à tentação de se ser securitário, de se abolir a liberdade, de sacrificar a democracia".

"Essa é uma luta cultural de hoje e de amanhã. E essa luta - e esse é o meu testemunho - está presente na vida de tantas e tantos portugueses", disse.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se então aos "milhares de jovens, e menos jovens, em igrejas ou fora de igrejas, em associações sociais, em IPSS [Instituições Particulares de Solidariedade Social], em misericórdias" que estão "no terreno", diariamente, "a trabalhar com os sem-abrigo, a trabalhar com os migrantes, a trabalhar com os refugiados, a trabalhar com os mais excluídos e mais marginalizados".

"Todos os dias, permanentemente, a grande maioria como voluntários. E esses são a razão da nossa acrescida esperança", considerou.

O Presidente da República afirmou que, como responsável político, está "atento ao comportamento das lideranças políticas".

"Mas, como cidadão, como pessoa, aquilo que mais me impressiona, e aquilo que mais impressiona positivamente, que vai para além do otimismo, que tem a ver com a esperança e com a determinação, é essa luta diária daqueles que não renunciam, que não abdicam, que não hesitam, que não desistem. Eles estão por todo o país, como estão, felizmente, por toda a Europa, como estão, felizmente, por todo o mundo", acrescentou.

Neste ponto, o chefe de Estado voltou a falar sobre os atuais responsáveis políticos a nível global, sem nomear alguém.

"Podem os líderes de cada momento pensar o contrário, porque ser-se populista, em certo momento, pode ser tentador. Podem pensar que no curto prazo ganham. Mas perdem no médio e no longo prazo, porque a vitória não é deles, é dos princípios, a vitória é de quem luta pelos princípios, a começar nos mais jovens, e a continuar nos menos jovens", declarou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.