Marcelo convida chefes de Estado a visitarem Fátima no centenário

"Mais do que interesses, aquilo que nos une é uma cultura comum", acrescentou o primeiro-ministro

O Presidente da República convidou hoje os chefes de Estado e de Governo ibero-americanos a visitarem Fátima por ocasião das comemorações do centenário dos acontecimentos de 1917 na Cova da Iria.

Marcelo Rebelo de Sousa fez este convite na sua intervenção na 25.ª Cimeira Ibero-Americana, que decorre em Cartagena das Índias, na Colômbia, quando falava sobre a cultura: "Na cultura entram também crenças e formas de circulação, crenças religiosas. Recordo para o ano o centenário de Fátima em Portugal, para o que estais convidados".

Em seguida, discursou o primeiro-ministro António Costa, que complementou esse convite: "Quero juntar ao convite que o Presidente da República de Portugal já fez para que visitem Portugal por ocasião do centenário de Fátima, [um convite] para que visitem Portugal também no próximo ano porque Lisboa será capital ibero-americana da cultura".

"Mais do que interesses, aquilo que nos une é uma cultura comum. E a capital da cultura em Lisboa significa que Lisboa será no próximo ano a capital de todos vós. Muito obrigado, e bem-vindos a Portugal", acrescentou o primeiro-ministro e ex-autarca da capital portuguesa.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.