Marcelo considera autonomia "imparável" e "irreversível

Presidente da República afirmou, ao receber a Chave de Honra de Ponta Delgada, que sempre percebeu o alcance da autonomia, que classificou como um processo "imparável" e "irreversível"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou a autonomia como um processo "imparável" e "irreversível", mostrando de certa forma abertura para um novo processo de revisão autonómica, cujo debate está em curso nos Açores, depois das últimas alterações ocorridas há 10 anos.

Referindo-se ao alcance da autonomia e recuando ao ano de 1976, quando foi instituída a Constituição democrática e as autonomias regionais, o Presidente da República mostrou "orgulho" por ter votado favoravelmente a implementação da autonomia e disse: "penso que todos os constituintes perceberam o alcance do que estavam a votar, mas eu certamente percebi e percebi que era um processo imparável, irreversível, de virtualidades crescentes e que longe de ser contraditório com o todo nacional em que nos integrávamos, só o valorizava e enriquecia".

Marcelo Rebelo de Sousa falava ontem no salão nobre dos Paços do Concelho de Ponta Delgada, cidade que acolhe este ano as celebrações do Dia de Portugal e onde recebeu das mãos do seu presidente da câmara a Chave de Honra do Município. Falando para uma plateia sobretudo de políticos locais, o Presidente da República afirmou ainda que "as décadas em que pude privar com a Região Autónoma dos Açores e os açorianos vieram confirmar o acerto dessa visão".

Afirmações de Marcelo Rebelo de Sousa que vêm na linha e até reforçam o discurso que proferiu no ano passado, durante a sessão solene do Dia da Região Autónoma dos Açores, aquando da sua visita oficial a dois tempos às nove ilhas dos Açores. E que marcam uma grande diferença em relação ao seu antecessor na presidência, Cavaco Silva, que em 2008 vetou a revisão do Estatuto Político-Administrativo dos Açores por considerar, entre outros aspetos, que uma norma relativa à dissolução do parlamento dos Açores colocava em risco o equilíbrio político-institucional do país e interferia com os poderes presidenciais.

E quando, por insistência da Assembleia da República, Cavaco Silva teve de promulgar o Estatuto, chegou mesmo a dizer que os "interesses partidários" se tinham sobreposto ao interesse nacional, numa altura em que - e tal como agora - o PS estava no poder no Governo da República e no Governo dos Açores. Durante a sua intervenção no salão nobre da Câmara de Ponta Delgada, Marcelo Rebelo de Sousa salientou ainda conhecer "bem os Açores" e ter sido testemunha "não de um momento, mas de um longuíssimo processo histórico só possível devido à autonomia, que fez a diferença na vivência açoriana".

Falando sobre a cidade que o homenageou, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que testemunhou "momentos inesquecíveis" em Ponta Delgada, uma cidade onde "criei amizades sem fim e descobri a riqueza do pluralismo e da diversidade de posições", salientando ainda os momentos religiosos de "beleza ímpar", como é o caso da Procissão do Senhor Santo Cristo dos Milagres, umas das maiores e mais solenes procissões do país, que Marcelo integrou, já como Presidente da República, em 2017. Por isso, concluiu o Presidente da República, virando-se para o presidente da Câmara de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro, "com aquela imodéstia que de vez em quando me caracteriza, permita-me que lhe diga que antes mesmo de receber a Chave, já me considerava com o direito a ser visto por vós como um dos vossos, um vosso aliado sempre, incondicional".
Por seu lado, José Manuel Bolieiro elogiou a decisão do Presidente da República de escolher a maior cidade açoriana para as celebrações do Dia de Portugal deste ano e voltou a salientar que Ponta Delgada é neste fim de semana a "capital da nação", numa celebração que projeta a cidade "pelo país inteiro e pelo mundo".

Bolieiro elogiou ainda o que diz ser a "exemplar relação institucional e pessoal" de Marcelo Rebelo de Sousa com os Açores e, em especial, com Ponta Delgada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.