Marcelo condecora porteira portuguesa do Bataclan

Margarida Santos Sousa socorreu dezenas de pessoas que fugiam ao massacre naquela sala de espectáculos de Paris

Por feitos excecionais, o Presidente da República irá condecorar no Dia de Portugal Margarida de Santos Sousa, 57 anos, porteira em Paris há 35.

Razão: o facto de na noite de 13 de novembro de 2015 esta natural de Ermesinde ter abrigado e socorrido no prédio onde trabalha e mora, ao lado da sala de espectáculos Bataclan, cerca de 40 sobreviventes (dos quais sete feridos, uma das quais em estado grave, tendo todos sobrevivido) dos atentados terroristas que ali foram praticados por um grupo jihadista de três jovens franceses de ascendência magrebina.

Quando o massacre se iniciou, dezenas de pessoas fugiram do Bataclan - onde uma banda americana Eagles Death Metal atuava para cerca de 1500 fãs - e muitas abrigaram-se no prédio onde a porteira portuguesa ainda trabalha e mora (era o único nas redondezas que tinha a porta da rua aberta).

Foram socorridos pela porteira portuguesa e foi esse gesto que levou o Presidente da República a decidir-se pela condecoração. Marcelo Rebelo de Sousa iniciará as celebrações do 10 de Junho em Lisboa, com uma parada militar no Terreiro do Paço - onde irá condecorar alguns militares -, voando logo a seguir para Paris, acompanhado pelo primeiro-ministro. Na capital francesa agraciará três civis, um dos quais a porteira portuguesa. Os outros dois nomes ainda não foram revelados.

Ontem, ouvida pelo DN, Margarida de Santos Sousa declarou desconhecer as intenções presidenciais. "Ninguém me disse nada", insistiu. "Continua tudo na mesma. As coisas só mudariam se ganhasse o euromilhões", gracejou.

O ataque ao Bataclan foi um dos vários de autoria jihadista, assumidos depois pelo Estado Islâmico, que atingiram coordenadamente Paris em vários pontos na noite de 13 de novembro do ano passado. Com um total de 130 mortos - entre os quais sete dos atacantes -, tornaram-se no pior ataque terrorista de sempre na capital francesa.

No Bataclan, o massacre, que se iniciou cerca de uma hora depois do começo do espetáculo dos Eagles Death Metal, saldou-se por um total de 89 mortos. A estes há a somar a dos três atacantes: dois fizeram-se rebentar e um terceiro foi morto pela polícia. Foi o segundo grande ataque terrorista islâmico no mesmo ano em Paris, dez meses depois do que atingiu o jornal satírico Charlie Hebdo e a sua redação.

Um mês depois dos atentados, a porteira partilhou com uma jornalista da Lusa os seus sentimentos: "Se me dizem que sou uma heroína, que sou uma estrela, sinto-me mal. Não, não. Eu era Margarida, sou Margarida e continuarei a ser sempre a mesma Margarida. Nem mais, nem menos."

O único "pânico" que sentiu depois foi por causa dos vários jornalistas que a procuravam. "Não esperava tanta gente pela porta dentro. Tive recusar muita gente porque não paravam". "Quase uma semana depois, ainda estavam constantemente atrás de mim. Não estava a contar com nada disso. Quando o fiz, não era para ter jornalistas à porta nem câmaras nem ninguém a fazer-me perguntas. Para mim, sinceramente, foi aquele pânico e aquele horror em que tive de ajudar e dar carinho àquelas pessoas", contou a emigrante portuguesa.

Dois meses depois dos atentados a porteira portuguesa foi condecorada pela presidente da câmara de Paris, Anne Hidalgo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.