Marcelo classifica Pupilos do Exército como "uma grande escola de valores"

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que o "Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas tem muito orgulho no passado, no presente e no futuro dos Pupilos do Exército"

O Presidente da República expressou orgulho no Instituto dos Pupilos do Exército e considerou que os seus alunos são privilegiados por pertencerem a "uma grande escola de valores, de formação, de serviço nacional".

Marcelo Rebelo de Sousa participou esta quinta-feira na abertura solene do ano letivo do Instituto dos Pupilos do Exército, em Lisboa, e no final da cerimónia, que incluiu atuações musicais e atribuição de prémios aos estudantes, falou brevemente aos alunos.

"Vós sois privilegiados, porque ser-se de uma instituição como os Pupilos do Exército é pertencer-se a uma grande escola de valores, de formação, de serviço nacional. E aqueles de entre vós que escolherdes duradouramente a carreira militar ficareis a ser parte integrante dessa componente única da identidade nacional", disse-lhes.

Esta foi a segunda mensagem que o chefe de Estado dirigiu aos alunos, num discurso de menos de cinco minutos, dividido em três partes. "Quando se tem a vossa idade os atos pesam muito mais do que as palavras ou, dito de outro modo, as palavras devem ser poucas e claras", defendeu.

A primeira mensagem foi para enaltecer as Forças Armadas: "Portugal é o que é devido ao papel essencial das nossas Forças Armadas há quase nove séculos. E só será o que quisermos que seja se pudermos continuar a contar com as nossas Forças Armadas dedicadas, competentes, leais, servidoras do interesse nacional".

Por fim, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que "o Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas tem muito orgulho no passado, no presente e no futuro dos Pupilos do Exército".

"E só espera que cada um de vós possa afirmar um dia, no termo de uma vida que está agora a começar: eu servi Portugal, com o meu estudo, com a minha vontade, com a minha humildade, com o meu patriotismo. Se assim for, terá valido a pena ter vivido os anos únicos de educação, de camaradagem, de descoberta do futuro nesta grande casa que sempre foi, é e sempre será o Instituto dos Pupilos do Exército", completou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?