Marcelo beijar a mão do Papa "é sinal de submissão", critica associação ateísta

Associação Ateísta Portuguesa diz que "Portugal não é protetorado do Vaticano e o Presidente da República sacristão".

Marcelo Rebelo de Sousa misturou o estatuto de Presidente da República com as suas crenças religiosas pessoais ao beijar a mão do Papa, transformando a visita ao Vaticano "num sinal de submissão", acusa a Associação Ateísta Portuguesa (AAP).

"É absolutamente inconcebível", exclama esta sexta-feira ao DN o presidente da AAP, Luís Rodrigues, a propósito das imagens onde o Chefe do Estado português surge a beijar a mão do Papa Francisco durante o encontro de quinta-feira.

Marcelo "é o meu Presidente, representa-me no estrangeiro, mas não é possível vê-lo num sinal de submissão a um qualquer chefe do Estado estrangeiro", como é o caso do Papa, critica Luís Rodrigues.

"Portugal não é protetorado do Vaticano e o Presidente da República sacristão. Ao bajular o Papa, [Marcelo Rebelo de Sousa] não cumpriu uma visita de Estado, levou a cabo uma promessa pia, denegriu a imagem de Portugal e traiu a laicidade", acusa a AAP.

Em comunicado, a AAP acrescenta: "O cidadão católico Marcelo Rebelo de Sousa pode manifestar perante o Papa a reverência que achar adequada à sua fé pessoal. O que não pode fazer, na qualidade de Presidente da República, é beijar a mão de um clérigo, inclinar-se subservientemente, deixar-se fotografar num ato humilhante para a República laica, que representa, e portar-se como se a Constituição da República Portuguesa, que jurou, permitisse a vassalagem à última teocracia da Europa."