O "milagre a dois tempos" que permitiu a Portugal sair da crise

O Presidente da República destacou o "milagre a dois tempos" que permitiu a Portugal ultrapassar a crise económica e começar a crescer, numa entrevista em que assume que a sua relação com o primeiro-ministro "foi sempre boa e igual".

Numa entrevista ao jornal espanhol La Voz de Galicia, divulgada hoje, Marcelo Rebelo de Sousa aponta duas fases na recuperação económica portuguesa, elogiando a ação do anterior primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, na primeira, e do atual, António Costa, na segunda.

O "mérito" da "primeira fase", em que houve necessidade de "tomar medidas muito impopulares e correr o risco de ser penalizado por isso", foi de Passos Coelho. Quanto ao segundo, de manter o rumo na consolidação das finanças públicas, foi de António Costa, a quem Marcelo Rebelo de Sousa atribui o mérito pela "segunda fase do milagre".

"Quando se esperava que o novo Governo [chefiado por António Costa], com uma composição oposta da composição anterior, e apoiado por partidos que tinham uma posição muito crítica em relação ao período anterior, quando muitos esperavam que esse Governo viesse romper com o caminho de recuperação das finanças públicas, isso não aconteceu", assinalou, concluindo: "Houve essa determinação. Isso é mérito do primeiro-ministro António Costa e do seu Governo, é mérito dos partidos que apoiaram o Governo. Eu diria que foi um sinal de grande maturidade política".

Na entrevista, o chefe de Estado assume que a sua relação com António Costa "foi sempre boa e igual".

"Em primeiro lugar, porque defendo que o Presidente deve dar-se bem com o primeiro-ministro, com os órgãos de soberania e com os partidos políticos. Estou permanentemente em contacto com o chefe do Governo, não só nas audiências semanais, em bons e maus momentos, como foi o caso das tragédias dos incêndios. Além disso, conhecemo-nos muito bem há décadas, já que ele foi meu aluno na Faculdade de Direito de Lisboa", recordou.

O chefe de Estado português mostra a sua satisfação por o executivo de Costa ter convencido a União Europeia e os mercados e continuar estável a pouco mais de um ano das eleições legislativas.

"É uma satisfação que esse Governo, no qual ninguém acreditava internacionalmente, tenha convencido Bruxelas, os mercados e continue estável a um ano e poucos meses de acabar a legislatura", assume o Presidente, para quem o "ponto de inflexão" foi o "início de 2017".

Marcelo congratula-se também pela solidez do sistema político, tanto à esquerda como à direita.

"Temos um sistema político forte à esquerda e à direita, que oferece alternativas aos portugueses e evita o surgimento de populismos", sublinha.

Congratula-se também por ter "desaparecido a crispação entre a esquerda e a direita" que surgiu após a eleições de 2015, ganhas por Passos Coelho, mas que não conseguiu formar Governo, dando lugar ao executivo socialista apoiado pelo PCP e BE.

Na entrevista, Marcelo Rebelo de Sousa salienta que a visita de Estado que fará a Espanha entre 16 e 18 deste mês será "muito importante".

"Não foi por acaso que o rei de Espanha foi meu convidado especial na tomada de posse. Isso permitiu criar uma aproximação que corresponde à excelência atual das relações políticas entre o reino de Espanha e Portugal", frisa.

O Presidente português lembra a visita dos reis de Espanha a Portugal, que foi "um grande sucesso", e classifica o estado atual das relações bilaterais assinalando a "grande proximidade não intelectual e emotiva" e o "fenómeno espantoso de complementaridade e de colaboração constante".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?