Almoço com conselho de curadores da Fundação Champalimaud

Instituição celebra os cem anos do nascimento de António de Sommer Champalimaud e vai anunciar um novo programa de investigação e tratamento para o cancro do pâncreas

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa irá almoçar com o conselho de curadores da Fundação Champalimaud, que reúne esta segunda-feira pela manhã, no dia em que se assinalam os 100 anos do nascimento de António de Sommer Champalimaud. Depois, o mesmo conselho de curadores divulgará um novo programa de investigação e de tratamento para o cancro do pâncreas.

O programa vai recorrer a novas técnicas e abordagens, nas áreas de investigação e tratamento, e terá equipas multidisciplinares. Irão também ser realizados trabalhos na área da educação e informação às famílias e associações de doentes.

António Parreira, diretor clínico do Centro Champalimaud, explicou ao DN: "O nosso objetivo é estar sempre um passo mais à frente, o que cria uma cinética de atividade que é um permanente frenesim. Talvez seja isso que nos distingue de outras instituições médicas mais convencionais".

António de Sommer Champalimaud, que foi construindo a pouco e pouco a ideia de uma fundação que olhasse para a "humildade e para o sofrimento dos outros, nasceu a 19 de março de 1918 e morreu a 8 de maio de 2004.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.