Almoço com conselho de curadores da Fundação Champalimaud

Instituição celebra os cem anos do nascimento de António de Sommer Champalimaud e vai anunciar um novo programa de investigação e tratamento para o cancro do pâncreas

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa irá almoçar com o conselho de curadores da Fundação Champalimaud, que reúne esta segunda-feira pela manhã, no dia em que se assinalam os 100 anos do nascimento de António de Sommer Champalimaud. Depois, o mesmo conselho de curadores divulgará um novo programa de investigação e de tratamento para o cancro do pâncreas.

O programa vai recorrer a novas técnicas e abordagens, nas áreas de investigação e tratamento, e terá equipas multidisciplinares. Irão também ser realizados trabalhos na área da educação e informação às famílias e associações de doentes.

António Parreira, diretor clínico do Centro Champalimaud, explicou ao DN: "O nosso objetivo é estar sempre um passo mais à frente, o que cria uma cinética de atividade que é um permanente frenesim. Talvez seja isso que nos distingue de outras instituições médicas mais convencionais".

António de Sommer Champalimaud, que foi construindo a pouco e pouco a ideia de uma fundação que olhasse para a "humildade e para o sofrimento dos outros, nasceu a 19 de março de 1918 e morreu a 8 de maio de 2004.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.