Marcelo aguarda que lei sobre "barrigas de aluguer" chegue às suas mãos para se pronunciar

O Presidente da República admitiu que o tema deve ser debatido

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje aguardar que a legislação sobre "barrigas de aluguer", aprovada na sexta-feira, chegue ao seu conhecimento para poder pronunciar-se, admitindo que não se deve poupar o debate.

No dia em que visitou a Aldeia SOS, em Bicesse, concelho de Cascais, para homenagear as famílias de acolhimento às crianças que lá vivem, Marcelo Rebelo de Sousa frisou que "há várias formas de constituir família".

"Este é um exemplo que eu considero de solidariedade, de empenhamento cívico e dedicação de pessoas que quis homenagear no Dia da Família. O resto são leis que estão a ser feitas no Parlamento e o Presidente da República só se pronuncia sobre elas quando chegarem às suas mãos. Hão de chegar e nessa altura pronuncio-me" afirmou.

Marcelo referia-se à aprovação em votação final global do projeto do Bloco de Esquerda sobre legalização da gestação de substituição.

O Presidente da República admitiu que o debate sobre o tema não deve ser poupado, mas que, para já, não é da sua competência.

"Tudo o que está no Parlamento, pela própria natureza, deve ser objeto de debate no Parlamento e fora do Parlamento. Não cabe ao Presidente da República. O Presidente da República pode dizer que é bom debater, mas não se pode substituir nem à sociedade civil, nem aos deputados, que têm a última palavra a dizer sobre a lei que está a ser votada", justificou.

Marcelo foi recebido hoje pelas crianças da Aldeia SOS e, à chegada, distribuiu beijinhos aos mais novos e até aconselhou um deles a ser aspirante a Presidente da República. "Sabes que não é nada fácil. Queres ir a Belém ver como é o meu trabalho? Então temos de combinar um fim de semana", disse.

Depois, aos jornalistas, explicou que "o mais complicado é as pessoas às vezes não se conhecerem".

"Umas têm um ponto de vista, outras têm outro ponto de vista e como não falam muito acabam por não ter aproximações e depois quando começam a falar percebem que têm muito em comum. É preciso ultrapassar isso e fazer aproximar as pessoas. O que não é impossível, demora tempo, mas não é impossível", frisou.

No dia em que se decide o campeão nacional entre Benfica e Sporting, o futebol foi também tema de conversa com as crianças e, hoje, Marcelo disse não ter clube.

"O Presidente não pode ter clube. Sou de todos os clubes", concluiu.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.