Marcelo afirma que Medina "é um homem do futuro" e que Lisboa "é o paraíso"

Discursou em inglês na "Second Home", um espaço de trabalho partilhado. Destacou ainda a abertura, inclusão e tolerância da capital e do país em geral

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta sexta-feira que o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, "é um homem do futuro" e considerou que a capital do país "é o paraíso" para jovens empreendedores.

O chefe de Estado falava durante uma visita à "Second Home", um espaço de trabalho partilhado que se descreve como um "acelerador criativo" de empresas, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, em que esteve acompanhado por Fernando Medina.

Num discurso em inglês, Marcelo Rebelo de Sousa referiu-se ao dirigente socialista e presidente da Câmara Municipal de Lisboa como "um homem do futuro" e elogiou a abertura, inclusão e tolerância desta cidade e do país em geral.

O Presidente da República disse aos jovens que partilham este espaço que os inveja pela liberdade com que vivem a sua juventude e pela possibilidade de conhecerem pessoas diferentes num lugar como Lisboa, em frente ao Tejo.

"Fazer outras pessoas felizes e ser feliz em Lisboa é o paraíso, é o céu. Vocês estão no céu. Não só por ser a altura do Natal, mas isto é o paraíso", exclamou, recebendo uma salva de palmas.

Marcelo Rebelo de Sousa prosseguiu: "O vinho tinto é esplêndido, a hospitalidade das pessoas é única, o presidente da Câmara é muito bom".

"Até o Presidente é bom", acrescentou, questionando "o que é que querem mais de um país e de uma cidade" e suscitando mais aplausos.

Antes, discursou Fernando Medina, que descreveu Lisboa como "uma grande capital global, uma grande capital de inovação, uma grande capital de modernidade e um grande exemplo para o mundo".

"Estamos a crescer, estamos orgulhosamente a marcar pontos lá fora", declarou, prometendo apoiar "sem quaisquer reservas" iniciativas como a "Second Home" e trabalhar para manter Lisboa "uma cidade aberta, tolerante, cosmopolita", capaz de "acolher todos".

O autarca do PS expressou o desejo de que os jovens que trabalham neste espaço "queiram ficar em Lisboa para o resto da vida, começando no Natal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.