Marcelo admite que não se teria candidatado a Belém se Guterres tivesse avançado

Presidente da República assinala esta sexta-feira dois anos de mandato. Diz que decidiu concorrer para o "equilíbrio global do país"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu esta sexta-feira que "quase de certeza" não teria sido candidato às presidenciais de 2016 se António Guterres tivesse avançado nessa corrida eleitoral uma vez que ele cumpriria melhor a missão.

No dia em que comemora dois anos desde a tomada de posse como Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa promove esta tarde uma aula-debate com alunos do secundário numa escola em Almada, tendo sido questionado por uma das alunas sobre o que o motivou a ser chefe de Estado.

"Vamos imaginar que o António Guterres era candidato a Presidente da República na altura em que eu fui. Eu quase de certeza não era candidato porque eu achava que ele cumpria essa missão melhor do que eu. Porquê concorrer contra ele? Ele cumpria melhor do que eu", admitiu.

Marcelo Rebelo de Sousa tinha começado por explicar que é "crente" e teve "uma formação de base social cristã muito forte, tal como António Guterres".

"Para nós, fazer política era - e é - uma missão, é servir os outros. E portanto só há obrigação de desempenhar um determinado cargo se houver um dever de consciência de cumprir melhor essa missão do que outros porque senão não vale a pena", explicou.

O Presidente da República contou aos alunos que, no momento em que decidiu concorrer à Presidência da República, olhou para o país, no qual tinha nascido uma nova solução governativa na sequência das eleições legislativas de 2015.

"Naquele contexto, eu achei que para o equilíbrio global do país, talvez fosse boa ideia, com uma solução governativa à esquerda, haver quem dentro da direita fosse a esquerda da direita com capacidade de diálogo à esquerda, mas que equilibrasse o país no contexto que existia", justificou.

Apesar de haver bons candidatos presidenciais, para Marcelo Rebelo de Sousa "não havia nenhum que pudesse cumprir essa missão" como o próprio poderia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.