Marcelo aceitou convite de Margvelashvili para visitar a Geórgia

Presidente da República recebeu em Belém o presidente da Geórgia, Giorgi Margvelashvili

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu hoje o seu homólogo georgiano, Giorgi Margvelashvili, no Palácio de Belém, em Lisboa, e no final anunciou que aceitou o seu convite para visitar a Geórgia.

Numa declaração aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que Portugal celebra 25 anos de relações diplomáticas com este país do Cáucaso, antiga república soviética, e "tem sido constante no seu apoio à soberania, à independência e à integridade da Geórgia nas fronteiras internacionalmente reconhecidas".

"Temo-lo feito nas relações bilaterais, mas também no seio da União Europeia e no plano multilateral. Esta foi uma mensagem que tive oportunidade de reiterar hoje ao senhor Presidente", acrescentou o chefe de Estado, na Sala das Bicas do Palácio de Belém, com Margvelashvili ao seu lado.

Dirigindo-se ao Presidente da Geórgia como "prezado amigo", declarou: "Eu agradeço o convite do senhor Presidente para visitar a Geórgia, já o aceitei. Será uma outra ocasião de reforçar uma amizade que é antiga, mas que não envelheceu, continua jovem como se fosse o primeiro momento. É uma amizade virada para o futuro".

Marcelo Rebelo de Sousa disse também a Giorgi Margvelashvili que "tem de regressar com mais tempo para poder gozar o sol português", depois de "ver como é outubro em Portugal".

No plano europeu, o chefe de Estado afirmou que "Portugal tem sido um apoiante da parceria oriental, quadro em que a Geórgia se tem empenhado, mostrando uma notável determinação na realização de uma agenda reformista", e que lhe permitiu "começar a beneficiar da liberalização do regime de vistos".

"Passa a ser mais fácil haver mais turistas vossos também em Portugal, e empresários. Isto beneficiará os nossos povos e é uma prova real e visível das vantagens associadas à parceria oriental", considerou.

Por outro lado, destacou "a entrada em vigor do acordo de comércio livre entre a União Europeia e a Geórgia, que já permitiu um aumento de exportações para a União Europeia", e manifestou a expectativa de que isso se reflita nas relações bilaterais.

O Presidente da República salientou que a Geórgia é um país observador associado da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e que tem havido um "crescente interesse" dos georgianos no estudo do português.

"Há mesmo - o que é preocupante - mais georgianos interessados pelo português do que portugueses interessados pela vossa língua. Temos de alterar essa situação", observou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "Portugal e a Geórgia partilham ainda uma visão semelhante do mundo", enquanto "defensores do multilateralismo, do respeito pelos direitos humanos, do diálogo e da cooperação entre as nações", o que tem aproximado os dois países em várias organizações internacionais, "com reciprocidade no apoio a candidaturas".

No plano político, o Presidente da República declarou que tem havido "um aumento do número de visitas e de contactos entre responsáveis dos dois países, o que é de saudar", antevendo "um reforço" do relacionamento bilateral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).