Marcelo aceitou convite de Margvelashvili para visitar a Geórgia

Presidente da República recebeu em Belém o presidente da Geórgia, Giorgi Margvelashvili

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu hoje o seu homólogo georgiano, Giorgi Margvelashvili, no Palácio de Belém, em Lisboa, e no final anunciou que aceitou o seu convite para visitar a Geórgia.

Numa declaração aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que Portugal celebra 25 anos de relações diplomáticas com este país do Cáucaso, antiga república soviética, e "tem sido constante no seu apoio à soberania, à independência e à integridade da Geórgia nas fronteiras internacionalmente reconhecidas".

"Temo-lo feito nas relações bilaterais, mas também no seio da União Europeia e no plano multilateral. Esta foi uma mensagem que tive oportunidade de reiterar hoje ao senhor Presidente", acrescentou o chefe de Estado, na Sala das Bicas do Palácio de Belém, com Margvelashvili ao seu lado.

Dirigindo-se ao Presidente da Geórgia como "prezado amigo", declarou: "Eu agradeço o convite do senhor Presidente para visitar a Geórgia, já o aceitei. Será uma outra ocasião de reforçar uma amizade que é antiga, mas que não envelheceu, continua jovem como se fosse o primeiro momento. É uma amizade virada para o futuro".

Marcelo Rebelo de Sousa disse também a Giorgi Margvelashvili que "tem de regressar com mais tempo para poder gozar o sol português", depois de "ver como é outubro em Portugal".

No plano europeu, o chefe de Estado afirmou que "Portugal tem sido um apoiante da parceria oriental, quadro em que a Geórgia se tem empenhado, mostrando uma notável determinação na realização de uma agenda reformista", e que lhe permitiu "começar a beneficiar da liberalização do regime de vistos".

"Passa a ser mais fácil haver mais turistas vossos também em Portugal, e empresários. Isto beneficiará os nossos povos e é uma prova real e visível das vantagens associadas à parceria oriental", considerou.

Por outro lado, destacou "a entrada em vigor do acordo de comércio livre entre a União Europeia e a Geórgia, que já permitiu um aumento de exportações para a União Europeia", e manifestou a expectativa de que isso se reflita nas relações bilaterais.

O Presidente da República salientou que a Geórgia é um país observador associado da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e que tem havido um "crescente interesse" dos georgianos no estudo do português.

"Há mesmo - o que é preocupante - mais georgianos interessados pelo português do que portugueses interessados pela vossa língua. Temos de alterar essa situação", observou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "Portugal e a Geórgia partilham ainda uma visão semelhante do mundo", enquanto "defensores do multilateralismo, do respeito pelos direitos humanos, do diálogo e da cooperação entre as nações", o que tem aproximado os dois países em várias organizações internacionais, "com reciprocidade no apoio a candidaturas".

No plano político, o Presidente da República declarou que tem havido "um aumento do número de visitas e de contactos entre responsáveis dos dois países, o que é de saudar", antevendo "um reforço" do relacionamento bilateral.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.