Maratona negocial com resultado bastante favorável para Portugal

A ministra do Mar destacou esta quarta-feira o "resultado bastante favorável" da maratona de quase 24 horas de negociações sobre as pescas para 2018, face às expectativas de Portugal, nomeadamente na redução da pescada.

"Os resultados deste conselho, face às expectativas, são bastante favoráveis", disse a ministra aos jornalistas, exemplificando com o biqueirão -- uma espécie com elevado valor comercial -- "onde havia uma proposta de redução de 20%" e foi conseguida a manutenção" das quotas de pesca para o próximo ano.

As capturas de pescada em águas nacionais sofrem um corte de 12%, abaixo dos 30% inicialmente propostos por Bruxelas e as capturas de carapau são reduzidas em 24%, sendo que em nenhuma das espécies a quota é atingida pelos pescadores portugueses.

Ana Paula Vitorino destacou a boa cooperação com a sua homóloga espanhola, Isabel Tangerina, nas negociações, salientando que os dois países trabalharam "de uma forma muito próxima".

Em águas nacionais, vão aumentar, em 2018, as possibilidades de pesca de raias (15%), lagostins (13%) e areeiros (19%), mantendo-se as quotas de julianas, solhas, ligados e tamboris.

A quota de pescada cai 12% e a do carapau 24%, podendo ser revista em função dos pareceres científicos, tendo a ministra destacado que, ainda assim, estão acima do que é efetivamente capturado pelos pesqueiros portugueses.

"É evidente que todos nós gostaríamos de ter muito mais mas houve uma redução global dos totais admissíveis de capturas a nível europeu", destacou.

Ana Paula Vitorino salientou ainda que quer Portugal, quer Espanha apresentaram fundamentação científica para as contra propostas apresentadas, garantindo que todas as espécies estão dentro do rendimento máximo sustentável.

Os ministros das Pescas da União Europeia chegaram esta madrugada a acordo para os totais admissíveis de capturas e quotas para 2018, após mais de 20 horas de uma negociação que se iniciou às 10:00 de terça-feira negociação em Bruxelas (09:00 em Lisboa).

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.