Maratona negocial com resultado bastante favorável para Portugal

A ministra do Mar destacou esta quarta-feira o "resultado bastante favorável" da maratona de quase 24 horas de negociações sobre as pescas para 2018, face às expectativas de Portugal, nomeadamente na redução da pescada.

"Os resultados deste conselho, face às expectativas, são bastante favoráveis", disse a ministra aos jornalistas, exemplificando com o biqueirão -- uma espécie com elevado valor comercial -- "onde havia uma proposta de redução de 20%" e foi conseguida a manutenção" das quotas de pesca para o próximo ano.

As capturas de pescada em águas nacionais sofrem um corte de 12%, abaixo dos 30% inicialmente propostos por Bruxelas e as capturas de carapau são reduzidas em 24%, sendo que em nenhuma das espécies a quota é atingida pelos pescadores portugueses.

Ana Paula Vitorino destacou a boa cooperação com a sua homóloga espanhola, Isabel Tangerina, nas negociações, salientando que os dois países trabalharam "de uma forma muito próxima".

Em águas nacionais, vão aumentar, em 2018, as possibilidades de pesca de raias (15%), lagostins (13%) e areeiros (19%), mantendo-se as quotas de julianas, solhas, ligados e tamboris.

A quota de pescada cai 12% e a do carapau 24%, podendo ser revista em função dos pareceres científicos, tendo a ministra destacado que, ainda assim, estão acima do que é efetivamente capturado pelos pesqueiros portugueses.

"É evidente que todos nós gostaríamos de ter muito mais mas houve uma redução global dos totais admissíveis de capturas a nível europeu", destacou.

Ana Paula Vitorino salientou ainda que quer Portugal, quer Espanha apresentaram fundamentação científica para as contra propostas apresentadas, garantindo que todas as espécies estão dentro do rendimento máximo sustentável.

Os ministros das Pescas da União Europeia chegaram esta madrugada a acordo para os totais admissíveis de capturas e quotas para 2018, após mais de 20 horas de uma negociação que se iniciou às 10:00 de terça-feira negociação em Bruxelas (09:00 em Lisboa).

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.