Mar leva acesso a uma das praias do Portinho da Arrábida

Chuva e vento forte condicionaram circulação em estradas e inundaram casas

Orlando Soares preparava-se para mais um dia de trabalho no restaurante O Farol, mas foi surpreendido quando chegou ao Portinho da Arrábida. O acesso ao estabelecimento tinha desaparecido durante a noite, levado pela forte ondulação numa zona de maré que até é habitualmente calma, destruindo o único caminho que permite chegar à praia do Creiro.

"O mar levou isto tudo com vagas enormes", lamentou, referindo-se ao abatimento do muro de proteção que também é o passadiço de acesso à praia, tendo desenterrado as condutas de água e eletricidade. "O restaurante vai ficar fechado", decidiu, aceitando as instruções da Polícia Marítima, que alertou o empresário para a impossibilidade de aceder ao estabelecimento à beira-mar.

Isto já depois de a Proteção Civil Municipal ter estado no local a colocar sacos de areia para tapar o buraco escavado pelo mar, segundo avançou ao DN o coordenador José Luís Bucho, para quem a prioridade passa agora por garantir segurança às casas que estão na zona, admitindo que só vai ser possível repor a normalidade "quando passar o mau tempo". Uma tarefa que vai ser assumida pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA). Contactada pelo DN, disse que após a forte agitação marítima vai "proceder à avaliação técnica da situação, com vista ao seu enquadramento financeiro e concretização", revelando já ter estado a avaliar a situação, admitindo proceder à colocação de enrocamento na base do muro de proteção.

Para o presidente do Clube da Arrábida, Pedro Vieira, a praia "precisa de areia para se defender da energia das ondas", lamentando que por ali só existam pedras que dão mais força ao mar", alerta. Recordou o relatório do Laboratório Nacional de Engenharia e Geologia, publicado em 2017, que alertava para a necessidade de ser feita uma intervenção de fundo na Arrábida que permitisse colocar mais areia para amortecer a força das ondas.
O mau tempo - que se vai prolongar pelo menos até dia 10 - tem provocado estragos por todo o país. Três casas do Bairro do Segundo Torrão, na Trafaria (Almada), ficaram ontem inundadas, enquanto um carro foi arrastado pela ondulação. Em Beja o vento danificou uma tenda do Campeonato Nacional das Profissões, provocando um ferido e levando à evacuação do espaço, motivando a suspensão do evento.

Já a Câmara de Oeiras encerrou a estrada Marginal entre Paço d"Arcos e o Alto da Boa Viagem, no sentido Cascais-Lisboa, devido à agitação marítima e a previsão de rajadas de vento com 100 km/h.

Na Madeira, o presidente do governo, Miguel Albuquerque, adiantou que o mau tempo provocou prejuízos superiores "às centenas de milhares de euros". Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.