Manuel Pinho convidado para conferência em Macau

Imprensa fala em "ex-governante português com problemas na justiça e ligações à China"

Manuel Pinho é um dos convidados da conferência "Uma Faixa, Uma Rota", nos dias 6 e 7 de Junho, na Universidade de Macau, avançou a Rádio Macau. O ex-ministro da Economia, que está a ser investigado por, alegadamente, ter recebido dinheiro do GES quando estava no Governo, estava na China quando a polémica estalou, em atividade académica para dar aulas e fazer conferências, segundo o seu advogado, Ricardo Sá Fernandes.

No evento, organizado pelo Gabinete de Estudo das Políticas do Governo, pela Fundação Macau e pelo "Grand Thought Think Tank", vai estar também o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Li Zhaoxing.

Na notícia, assinada pelo jornalista Hugo Pinto, é referido que "a conferência traz a Macau um ex-governante português com problemas na justiça e ligações à China", dando conta que "Manuel Pinho é arguido desde 3 de Julho de 2017 no chamado caso EDP".

É também explicado que o ex-ministro da Economia é acusado de corrupção passiva e de participação económica em negócio por fazer parte de "um alegado esquema de corrupção que envolve a eléctrica portuguesa, onde o Estado chinês controla uma posição de 28,25 por cento, direta e indiretamente através da empresa estatal China Three Gorges".

Esclarecimentos só depois do interrogatório

Manuel Pinho já fez saber que está disposto a prestar "todos os esclarecimentos" aos deputados, mas só depois de ser interrogado pelo Ministério Público.

"É sabido que as dúvidas que justificam essa diligência nasceram a partir da divulgação pela comunicação social de documentação que constará do processo em que foi constituído arguido (e onde há mais de dez meses aguarda por ser ouvido) e com a qual ainda não foi confrontado pela autoridade judiciária competente", adianta um comunicado de Ricardo Sá Fernandes às redações.

Os deputados do PSD e do PS pediram a audição do ex-ministro do governo de José Sócrates para esclarecer as alegadas suspeitas que lhe têm sido imputadas, nomeadamente pelo jornal 'on-line' Observador, segundo o qual há suspeitas de Manuel Pinho ter recebido, entre 2006 e 2012, cerca de um milhão de euros.

Foi nesta altura que o advogado revelou que Manuel Pinho estava na China, em atividade académica para dar aulas e fazer conferências, "mas deslocar-se-á a Portugal quando necessário, desde que avisado com antecedência razoável"

Segundo Ricardo Sá Fernandes, o ex-ministro, tendo sabido da iniciativa do PSD de solicitar a sua audição na Assembleia da República "agradece a oportunidade que lhe é dada e vem dizer que prestará todos os esclarecimentos atinentes às questões que os deputados lhe queiram colocar relativamente quer ao período em que foi ministro, quer antes, quer depois", mas que só fará depois de ser interrogado pelo Ministério Público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.