Nazismo: ensino deve referir "centenas" de vítimas portuguesas

Historiadora portuguesa defende que manuais escolares não contam toda a verdade sobre o regime nazi

A historiadora Cláudia Ninhos defende que as novas investigações que revelaram a existência de centenas de portugueses vítimas do regime nazi devem fazer parte dos novos manuais escolares de História.

"Se virmos bem, o que o nosso projeto veio trazer foram dados que indicam que não foram apenas alguns portugueses, mas centenas de portugueses que foram envolvidos no turbilhão da guerra: quer no trabalho forçado, quer como prisioneiros de guerra, quer no próprio sistema concentracionário e isso ainda não tinha sido trazido para a ribalta pela investigação historiográfica", disse à agência Lusa Cláudia Ninhos.

A historiadora faz parte da equipa internacional do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, coordenada por Fernando Rosas, que investigou a existência de centenas de vítimas portuguesas do regime nazi durante a II Guerra Mundial.

Em virtude da investigação, o Estado português através do ministro dos Negócios Estrangeiros, descerrou, em maio de 2017, no antigo campo de concentração de Mauthausen, na Áustria, uma placa em homenagem aos portugueses que foram vítimas da perseguição nazi.

"Os novos dados ainda não foram introduzidos nos manuais, mas espero que sejam. Uma ideia que era muito desenvolvida pela Estado Novo era a imagem de um chefe de Estado (Salazar) que conseguiu salvar os portugueses dos horrores da guerra e a nossa investigação veio mostrar exatamente o contrário: houve portugueses envolvidos e o regime sabia", sublinha.

Cláudia Ninhos participa hoje, em Lausanne, na conferência sobre o ensino do Holocausto integrada nos trabalhos da International Holocaust Remembrance Alliance, que este ano decorrem na Suíça, um organismo de que Portugal faz parte como país observador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.