Nazismo: ensino deve referir "centenas" de vítimas portuguesas

Historiadora portuguesa defende que manuais escolares não contam toda a verdade sobre o regime nazi

A historiadora Cláudia Ninhos defende que as novas investigações que revelaram a existência de centenas de portugueses vítimas do regime nazi devem fazer parte dos novos manuais escolares de História.

"Se virmos bem, o que o nosso projeto veio trazer foram dados que indicam que não foram apenas alguns portugueses, mas centenas de portugueses que foram envolvidos no turbilhão da guerra: quer no trabalho forçado, quer como prisioneiros de guerra, quer no próprio sistema concentracionário e isso ainda não tinha sido trazido para a ribalta pela investigação historiográfica", disse à agência Lusa Cláudia Ninhos.

A historiadora faz parte da equipa internacional do Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, coordenada por Fernando Rosas, que investigou a existência de centenas de vítimas portuguesas do regime nazi durante a II Guerra Mundial.

Em virtude da investigação, o Estado português através do ministro dos Negócios Estrangeiros, descerrou, em maio de 2017, no antigo campo de concentração de Mauthausen, na Áustria, uma placa em homenagem aos portugueses que foram vítimas da perseguição nazi.

"Os novos dados ainda não foram introduzidos nos manuais, mas espero que sejam. Uma ideia que era muito desenvolvida pela Estado Novo era a imagem de um chefe de Estado (Salazar) que conseguiu salvar os portugueses dos horrores da guerra e a nossa investigação veio mostrar exatamente o contrário: houve portugueses envolvidos e o regime sabia", sublinha.

Cláudia Ninhos participa hoje, em Lausanne, na conferência sobre o ensino do Holocausto integrada nos trabalhos da International Holocaust Remembrance Alliance, que este ano decorrem na Suíça, um organismo de que Portugal faz parte como país observador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.